Linha de crédito de R$ 8 milhões para jovens em risco social abrir negócios no Estado

Economia

Linha de crédito de R$ 8 milhões para jovens em risco social abrir negócios no Estado

Programa promove rede de oportunidades de educação, empreendedorismo e renda, cultura e esporte para jovens entre 10 e 24 anos com maior exposição à violência

Resultados do programa neste ano foram apresentados durante solenidade, nesta quarta-feira Foto: Divulgação/Governo

O projeto Ocupação Social vai oferecer, no ano que vem, 10 mil oportunidades a adolescentes e jovens das 25 comunidades atendidas pelo programa. O anúncio foi feito na tarde desta quarta-feira (21), durante a apresentação do balanço das ações realizadas, em 2016, pelo programa.

O projeto promove uma rede de oportunidades de educação, empreendedorismo e renda, cultura e esporte para adolescentes e jovens, entre 10 e 24 anos, com maior exposição à violência. 

"Nós queremos mudar essa realidade, ofertando educação, empreendedorismo, esporte, cultura. E gerar oportunidade para o jovem mudar a sua tragetória de vida e conseguir mudar essa triste realidade desses bairros", ressaltou o secretário de estado de Direitos Humanos, Julio Pompeu.

Dentre as novas parcerias para o programa, em destaque está o lançamento do Nosso Crédido #maiscomunidade. O termo de cooperação técnica, firmado entre a Secretaria de Estado de Direitos Humanos (SEDH) e o Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes), garante a oferta de microcrédito aos moradores dos bairros atendidos pelo programa. A previsão é de que sejam investidos R$ 8 milhões para financiamento voltado, especialmente, para os jovens.

"Nós estamos oferecendo aqui uma rede de microcrédito para esses jovens desses bairros em situação de alta vulnerabilidade. Estamos levando curso de capacitação para gerar emprego e renda, curso de empreendedorismo e agora dinheiro, através do microcrédito, para montar o seu próprio negócio e mudar essa realidade", frisou o secretário de Estado de Direitos Humanos Julio Pompeu.

Outra parceria firmada nesta quarta foi com a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes), a Secretaria de Estado de Cultura (Secult) e o British Council, que oferecerá, numa ação inédita no Estado, duas turmas de um curso de economia criativa para os bairros do Ocupação. O objetivo é acelerar negócios culturais e criativos em regiões vulneráveis do Estado.

Na cultura, o movimento também não para. Além da garantia de investimento de R$ 1 milhão em projetos de formação cultural e artística que foram aprovados pelo edital da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), este ano, e que serão desenvolvidos ao longo de 2017, mais uma parceria foi assinada, durante a solenidade. A Faculdade de Música do Espírito Santo (Fames) e a Fapes vão levar aulas de música a 15 bairros do Ocupação Social, com previsão de atender mais 2 mil adolescentes e jovens das comunidades.

Mais oportunidades

E as boas notícias se estendem a outras áreas, com a continuidade de ações bem sucedidas, iniciadas em 2016, e que serão mantidas no próximo ano. Serão mais 3 mil vagas para cursos de capacitação, sendo 2 mil em parceria com a Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação Profissional (Secti), e mais 1 mil oportunidades com os cursos de qualificação profissional do Sesi-ES e do Senai-ES.

Com o Sebrae-ES, serão lançadas 820 vagas em cursos de empreendedorismo, sendo 720 delas no Programa Comunidade Empreendedora, que leva os cursos Crescendo e Empreendendo e o Virada da Comunidade aos bairros do Ocupação Social, cada um ofertando 360 vagas.

Para 2017, ainda serão abertas mais 100 vagas do Sebrae para o curso Cultilider, que orientam os participantes a adotar atitudes de um líder empreendedor, transformador, ético, criativo e inovador. O Sebrae-ES ainda vai manter as ações do Negócio a Negócio, visitando microempreendimentos e oferecendo orientação gratuita por meio de agentes especializados.

Crescimento

No esporte, o projeto Campeões do Futuro vai aumentar o número de bairros atendidos, de quatro para 21 comunidades, chegando a 3 mil jovens beneficiados, moradores de bairros atendidos pelo Ocupação Social.

Quem também amplia as ações é o Projeto Jovem Ser, desenvolvido pela EBRACoaching e o Movimento Espírito Santo em Ação, chegando a mais dois bairros com atendimento voluntário de coaches, que orientam os jovens a descobrir e investir emocionalmente em seus talentos.

Também há ações previstas pela Polícia Civil, com o Papo de Responsa, levando as atividades para 20 escolas da rede pública, localizadas em áreas vulneráveis e atendidas pelo programa.

Ações

Para o secretário de estado da Segurança Pública, André Garcia, as medidas anunciadas nesta quarta-feira impactam diretamente na prevenção à violência no Espírito Santo.

"Faz parte da nossa estratégia de enfrentamento à criminalidade sob um outro enfoque, que é o da prevenção. Nós entendemos que não basta só os investimentos que são feitos nas polícias, nas estratégias de enfrentamento à criminalidade que são feitos diariamente, mas também é preciso enfrentar a causa da criminalidade, o que leva as pessoas a delinquir. E é importante especialmente porque atinge os nossos jovens", destacou.

Já o governador Paulo Hartung ressaltou a importância estratégica do Ocupação Social, de realizar parcerias com a iniciativa privada, em especial o Sistema "S" que auxilia na abertura de cursos.

"Em tempos normais já seriam importantes essas parcerias, mas neste período de crise socioeconômica que o país vivência é fundamental a presença de parceiros importantes. Esse projeto é importante para desenvolver ações sociais que vão além das ações de polícia. É um programa que permite o Estado dialogar com os demais poderes constituídos e a sociedade. Esse programa é construção da vida e cultura de paz", destacou.

Segundo o secretário de Estado de Direitos Humanos Julio Pompeu, as ações apresentadas foram sugeridas pelos jovens. “Ouvimos os jovens e agora estamos apresentando as ações que eles mesmos disseram, em pesquisa, que queriam ver em seus bairros. As atividades vão acontecer durante todo o ano de 2017, e esperamos que os jovens consigam alavancar carreiras e realizar sonhos”.

Exemplo

O empreendedor Ramon Caldeira de Oliveira é a prova de que o projeto segue no caminho certo. Morador de Carapina Grande, na Serra, ele tinha tudo para, como amigos e vizinhos, entrar para o mundo do crime. Só que, no lugar disso, decidiu abraçar o projeto Ocupação Social. Graças à iniciativa, ele descobriu na produção semanal de mais de 3 mil brigadeiros muito mais do que uma profissão.

"Esse projeto me ajudou a ter foco, a saber o caminho certo de onde ir, como conseguir, como realizar os meus projetos, como conseguir conquistar o futuro que eu desejo para mim", destacou.

Hoje, mais do que um produtor de guloseimas, Ramon se considera um vendedor de felicidade. "Ninguém come um brigadeiro triste. Então cada entrega que eu faço é como se eu estivesse entregando um momento feliz para aquela pessoa", disse.