Tratar da realidade imediata na ficção pode ser armadilha, dizem autores na Flip

Entretenimento

Tratar da realidade imediata na ficção pode ser armadilha, dizem autores na Flip

Redação Folha Vitória

Tratar a realidade brasileira com literatura contemporânea pode armar um par de armadilhas para o autor, e essa foi uma das preocupações centrais da mesa que abriu nesta sexta-feira, 27, a programação paralela da Festa Literária Pirata das Editoras Independentes (Flipei), o barco-sensação da 16.ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty.

Christiano Aguiar e Antonio Lino conversaram sobre suas produções mais recentes. Aguiar lançou recentemente o livro Na Outra Margem, O Leviatã (Lote 42), uma reunião de contos que ficcionalizam situações diferentes, relacionadas à questão política. "Mas antes disso, a própria existência da literatura é política, mesmo sem qualquer pretensão. Ela pede a escuta, o diálogo. Literatura não está na gaveta. É o encontro de duas subjetividades."

Em um conto, por exemplo, ele ficcionaliza uma reintegração de posse inspirada pelo episódio do Pinheirinho, em São Paulo, em 2011, mas transportada no texto para o interior da Paraíba, onde ele nasceu. "Mas não há no meu trabalho uma busca imediata por respostas. Procuro que o impacto da situação passe no primeiro momento, e depois preciso encontrar a lógica para contar aquela história, mas não coincide com a busca de uma resposta imediata", explicou o autor. "O compromisso primeiro do escritor é com a linguagem."

Lino lançou no fim de 2017 o livro Branco Vivo (Editora Elefante), para o qual viajou a várias partes do Brasil em busca de histórias relacionadas ao programa Mais Médicos. Não-ficção, a obra tem fotografias de Araquém Alcantara.

"Dos anos 50 para cá, temos a consciência do subdesenvolvimento, de Antonio Candido, que é a da miséria e da perpetuação da miséria. Ainda me filio à linhagem modernista com vínculo à realidade social", disse o escritor.

Com 14 editoras independentes, o barco da Flipei é uma das principais novidades desta edição da Flip. O barco fica atracado à margem do canal e a plateia, no continente. A iniciativa da editora Autonomia Literária e do coletivo Rizoma representa um movimento recente na Flip, de agregar editoras menores em espaços colaborativos, atraindo assim mais bibliodiversidade a Paraty.