• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Obra de Graciliano é celebrada com exposição e livro

Entretenimento

Obra de Graciliano é celebrada com exposição e livro

São Paulo - Em 18 de setembro de 1910, o Jornal de Alagoas publicou um inquérito com um jovem literato alagoano que assinava G. Ramos de Oliveira - então com 17 anos, ele demonstra uma erudição impressionante ao listar impressões sobre O Guarani (que lera aos 10), afirmar que o "realismo nu de Adolfo Caminha e a linguagem sarcástica de Eça de Queiroz" o influenciaram e ter a capacidade de autoironia suficiente para dizer que seus primeiros textos, "pequeninos contos", foram "verdadeiras criancices".

Essa é a primeiro das 25 entrevistas que Graciliano Ramos (1892-1953) concedeu a jornais e revistas durante sua vida, agora reunidas em Conversas (Record). O livro ainda traz respostas do escritor a enquetes e depoimentos, e ganha um lançamento de luxo: a exposição Conversas de Graciliano Ramos foi montada no MIS de São Paulo totalmente baseada no projeto de pesquisa de Ieda Lebensztayn e Thiago Mio Salla, com curadoria de Selma Caetano. A mostra fica aberta até o dia 9 de novembro e tem entrada gratuita - até este domingo, 21, a exposição ficou fechada para visitação por motivos de segurança . Nesta segunda-feira, 22, ocorre no MIS o lançamento do livro, às 19h, com presença de familiares do escritor e dos organizadores - em um coquetel aberto ao público.

A exposição foi montada de modo a dar voz a Graciliano - da sua voz mesmo, não existe nenhum registro. As entrevistas então são uma forma direta de ouvir o que o escritor tinha a dizer além da sua produção ficcional. "Foi legal mostrar como o Graciliano falava de tudo, contrariando essa imagem sisuda, focada apenas na sua própria obra", diz a curadora Selma Caetano. Na mostra, multimídia, com vídeos sobre a vida do escritor e depoimentos, as imagens não têm legendas expostas, apenas em um folder. Todas as frases estampadas nas paredes são do próprio Graciliano. Em um dos painéis multimídia, o ator Marat Descartes interpreta o escritor em uma entrevista encenada com o jornalista Edney Silvestre, produzida pelo canal GloboNews.

Há mais de dez anos pesquisando a obra de Graciliano, Ieda Lebensztayn e Thiago Mio Salla foram além do trabalho de compilação no livro: com intenso contato com fontes primárias, como jornais e documentos oficiais, eles apresentam aqui uma contribuição, também, para a história da imprensa no País, ao pontuar o livro com uma profusão de notas de rodapé que situam as entrevistas no contexto da publicação.

Um traço marcante apontado por Conversas, segundo os pesquisadores, é que a construção das principais obras do escritor "partiu de contos, de modo que os capítulos se singularizam por sua força dramática, concisão e autonomia". "Tal particularidade formal se deve à concepção realista de Graciliano, que se empenhou por concentração dramática e estilística, e à sua necessidade financeira, que o levou a publicar contos/capítulos, crônicas e artigos na imprensa", afirmam os pesquisadores, por e-mail.

O segundo volume de Conversas, ainda por concluir, reunirá depoimentos de amigos e familiares, também publicados na imprensa - gente como José Lins do Rego, Jorge Amado, Rubem Braga -, assim como uma entrevista inédita com Luiza Ramos Amado, filha de Graciliano.

Salla destaca um dos depoimentos dado pelo escritor à revista Diretrizes, em 1942. Perguntado se "poderia um nazista escrever um poema?", Graciliano responde: "sim, devem fazer também poemas. Se não os fizessem, abandonariam completamente a espécie humana".

"Ele atrela o conceito de 'humanidade' à possibilidade de criação artística", conclui Salla.

CONVERSAS DE GRACILIANO RAMOS

MIS. Avenida Europa, 158, tel. 2117-4777. 3ª a sáb., 12 h / 22 h; dom., 11h / 21h. Grátis. Até 9/11.