Até tecido antigo! Pandemia faz moda reciclar roupas, diz Amir Slama

PEDRO PERMUY

Entretenimento

Até tecido antigo! Pandemia faz moda reciclar roupas, diz Amir Slama

Estilista, que acaba de lançar coleção sem gênero com matéria-prima reutilizada, diz que “otimizar recursos” é uma das tônicas que o surto de covid-19 fez a indústria adotar

Pedro Permuy

Redação Folha Vitória
Foto: Reprodução/Instagram @amirslama

Para Amir Slama, a maior lição que a moda tira da pandemia da covid-19 é a reorganização dos materiais. Segundo o estilista, a tendência mais do que nunca será usar roupas antigas, materiais biodegradáveis e outras matérias-primas sustentáveis para o feitio das peças, que também tendem a serem não-binárias.

“A gente sentiu a necessidade de criar essa marca alternativa, como se fosse um lado B da marca”, confidencia ele, que acaba de lançar 12 novas criações limitadas com sua nova Slamb, uma série de coleções cápsula com peças em modelagem agênero e de todos os tamanhos. Todas essas peças são confeccionadas com itens reciclados e elementos bordados à mão.

O reúso desses materiais, segundo Amir, influencia desde a ideia da roupa até a execução da peça. “Influencia a modelagem, corte, tudo. Poque a gente pode reutilizar materiais, mas também peças passadas, que já foram feitas. Tecido antigo… Então são peças que se tornam únicas mesmo”, explica.

“O novo luxo é fazer peças mais próximas do cliente final. Menos é mais” - Amir Slama

“Procurei trabalhar muito com os olhos, prestei mais atenção. Fiz até aplicação de olhos mesmo em algumas peças por conta disso”, fala. Sobre a definição do gênero, compara: “Eu já tinha camisas femininas que iam para a coleção masculina. E ficavam sem uma definição. Além dessas camisetas, de agora, já tenho prevista coleção de calças, lenços e echarpes. Todas por essa nova marca”, adianta.

LEIA TAMBÉM: Joias de luxo, Shein e carrões: modelo do ES vira fenômeno na China

Em bate-papo exclusivo com a Coluna Pedro Permuy, também defende: “A pandemia trouxe uma aceleração de processos. Na moda, veio acelerar os processos de reúso, revisão, repensar conceitos, no timing das coisas. O repensar os processos fez a gente otimizar os recursos, então acho que a gente trabalhou de um jeito econômico mais favorável. E a gente aumentou muito a venda pela internet e para o mercado externo”.

Amir já vende pela Farfetch, maior e-commerce de luxo do Brasil, assim como as novas criações já estão disponíveis no site.

LEIA TAMBÉM: Andressa Suita surge com Gusttavo Lima 1 ano após suposta amante em Colatina

“Na linha normal da marca, pelo online, a gente tem peça de coleção de 3, 4 anos atrás que vende normalmente. Então acho que a internet também tem isso de fazer tudo ficar mais permanente. E nossos compradores são de todo o mundo… China, Irã, Iraque, Singapura, Europa praticamente toda”, enumera.

“Nesse tipo de coleção a criação é mais livre, porque em pequenas coleções a gente faz de tudo em uma tiragem limitada. Tem começo, meio e fim” - Amir Slama

Com um ano de nova loja no Jardins, em São Paulo, ele também declara que adotou o “menos é mais” para a carreira e fala que não tem vontade mais de ter 50 lojas da marca. “Trabalho com outro conceito, uma loja só, com modelista, máquina de costuma… É uma experiência quando o cliente vem até a gente, o que eu acho que também ganhou valor. Para um consumidor ir a uma loja, hoje, ele quer algo a mais. Se não, faz tudo pelo celular em casa”, conclui.