Em entrevista, Adriane Galisteu diz: É bobagem ter medo de envelhecer, eu tenho medo de morrer

Entretenimento

Em entrevista, Adriane Galisteu diz: É bobagem ter medo de envelhecer, eu tenho medo de morrer

Apresentadora posou para a revista Mensch e falou sobre o filho e as realizações de sua vida. E se envelhecer é um medo, Adriane, pelo ao contrário, ainda tem muito pela frente

Redação Folha Vitória
Apresentadora fez ensaio para revista Foto: Agência Estrelando

E nada como se sentir mais jovem ao lado do filho, não é mesmo? A apresentadora tem amor que até transborda para dar ao pequeno: -O Vittorio está com cinco anos e tento mostrar a ele sempre o meu melhor e o que aprendi com a minha mãe - que é meu maior exemplo -, e agora, com a minha sogra. Confesso que eu nem sabia que eu tinha tanto amor pra dar até a chegada dele. Tudo pra mim fica claro quando vejo que esse amor não tem começo, meio e fim. É pleno. Não tem como descrever nem expressar.

Quando o assunto é envelhecer, Adriane mostrou que está para lá de bem no ensaio fotográfico e na entrevista, revelou não ligar para o assunto: -É bobagem ter medo de envelhecer, para esse assunto, não existe mistério. A velhice está aí, fazendo-se presente todos os dias. Ela chega para todos, para uns, mais rápido, outros mais devagar. Eu tenho medo de morrer, de ficar doente, de não ter saúde. Quero viver essa fase da maneira mais saudável que existir. Falo que fui programada pra 120 anos. Espero ser uma velhinha bem animada, bem serelepe, cheia de neto. Sem contar que a medicina está aí para dar uma forcinha. Não nego que daqui a dez anos, quero me ver correndo muito mais do que eu corro, buscando sempre o meu melhor e encontrando desafios diferentes, sempre.

E se envelhecer é um medo para muitas mulheres, que não se sentem capaz de fazer mais nada da vida, Adriane, pelo ao contrário, ainda tem muito pela frente: -Não me sinto uma pessoa realizada, ainda tenho tanta coisa pra fazer, pra realizar ainda. Eu sou uma mulher que é feliz com a vida que tenho e de como cheguei até esse momento. Errei, acertei e tenho uma família que era um sonho que sempre tive. Acho que se eu for questionada sobre ser uma pessoa realizada daqui há 20 anos, a resposta será a mesma: ainda tenho tanta coisa pra fazer.

E nada como se sentir mais jovem ao lado do filho, não é mesmo? A apresentadora tem amor que até transborda para dar ao pequeno: -O Vittorio está com cinco anos e tento mostrar a ele sempre o meu melhor e o que aprendi com a minha mãe - que é meu maior exemplo -, e agora, com a minha sogra. Confesso que eu nem sabia que eu tinha tanto amor pra dar até a chegada dele. Tudo pra mim fica claro quando vejo que esse amor não tem começo, meio e fim. É pleno. Não tem como descrever nem expressar