E a Illumination acerta de novo com 'Sing'

Entretenimento

E a Illumination acerta de novo com 'Sing'

Redação Folha Vitória

São Paulo - Fundada por Len Meledrandi em 2007, a Illumination Entertainment tornou-se rapidamente uma das maiores empresas de animação dos EUA (e do mundo), alinhando sucessos como Meu Malvado Favorito 1 e 2, Minions, Pets - A Vida Secreta dos Bichos e agora Sing - Quem Canta Seus Males Espanta.

Seu forte não é a animação, propriamente dita, porque a Illumination não chega a inovar muito do ponto de vista gráfico, mas um olhar que nunca é dos mais corretos sobre o estado do mundo.

Os minions, por exemplo, são aqueles seres minúsculos - e amarelinhos - que servem aos gênios do mal. Os "pets" não são exatamente docinhos, quando longe do olhar dos donos, e por aí vai. O conceito de Sing é disneyniano - animais humanizados - na forma, mas não no fundo.

O desenho, embora antropomórfico, não segue os moldes da Disney e a galeria de personagens beira o bizarro. Há um personagem central, que cataliza os demais, mas não é bem um protagonista.

Dono do teatro que herdou do pai, o coala Moon é pintado como um desastre. Nada do que faz dá certo. Sua secretária só aumenta a confusão. Moon tem a ideia brilhante de criar um show musical para calouros, mas a secretária erra o valor do prêmio, que salta de US$ 1 mil para US$ 100 mil, que ele não tem. A quantia atrai um monte de gente, ou de bichos.

Um porca insatisfeita com a vida de dona de casa, um gorila cujo pai quer que ele seja criminoso, um ratinho metido a Sinatra, uma elefanta tímida etc. O resultado é irresistível, e para isso contribui a trilha. Na versão com legendas, os bichos falam, e cantam, com as vozes de Matthew McConaughey, Reese Wittherspoon, Scarlet Johannson etc. Nas dubladas, Sandy, Wanessa Camargo, Fiuk. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.