Antes de assistir Um Príncipe em Nova York 2, veja o filme de 1988.

Edu Coutinho Colunista de Entretenimento

Depois de mais de 30 anos, “Um Príncipe em Nova York” ganha uma sequência. Eddie Murphy e Arsenio Hall estão de volta para segunda parte do filme, que que é um clássico. O longa encanta gerações e até hoje rola nas programações de emissoras de TV, abertas ou por assinatura. A produção chega hoje à uma plataforma de streamingm. Com isto temos um recado: Você precisa rever o filme de 1988 para assistir a segunda sequência. Por isso, o Resenhando elenca alguns motivos para você assistir o clássico.

 

 

Caso você, como eu, tenha memória fraca pelo tempo ( risos), e, porventura, não lembra de tudo ou de nada do rolou no filme original. Ou se você é da nova geração e nem sabe que existe esse clássico, calma, pois vamos te dar uma mãozinha e fazer uma revisão. Assim você não ficará perdido no rolê. Garantia para assistir a segunda parte, que estreia hoje!

É óbviooooo que esse texto tem uma pitada, ou, melhor dizendo, tem grandes doses grande de spoilers. Se você estiver com tempo, fica a dica: O primeiro filme está na Netflix.

 

Pôster de “Um Príncipe em Nova York 2”.

 

 

Sinopse

“Um Príncipe em Nova York” fala sobre Akeem Joffer (Eddie Murphy), que está cansado da vida confortável do palácio e busca sentindo para a sua existência. Ele também foge de um casamento arranjado por seu pais, em sua terra natal, Zamunda. Nessa viagem ele vive uma vida normal e de quebra ganha um amor. Tudo isso em Nova York, como uma pessoa anônima e simples.

Vale lembrar que o príncipe vai aos Estados Unidos com o seu melhor amigo, o ambicioso Semmi (Arsenio Hall). 

Tudo começa a virar uma grande confusão e o enredo ganha outros personagens.

Sem o luxo de principie e agora pebleu, Akeem passa a morar num muquifo no bairro do Queens e arruma um emprego de limpeza na lanchonete de Cleo McDowell (John Amos), a McDowell’s. Ele se apaixona pela filha do dono, Lisa (Shari Headley). Os dois vivem uma espécie de “amor proibido”, já que o príncipe tem um casamento marcado e ela também tem um romance.

Na verdade o ganancioso pai da moça a empurra para um cara rico. Por isso ele detesta Akken, que é um reles empregado de seu estabelecimento e “pobre”. Mal sabendo que o cara era um futuro rei.

 

A trama também tem como cenário passa uma barbearia de bairro. Já a lanchonete faz clara referência à uma outra rede de fast food, que também começa Mc e tem uma logomarca com a letra “M” em amarelo. Aposto que você nem imagina de quem estamos falando. É também neste filme, que Eddie Murphy e Arsenio Hall interpretam outros personagens. Eles se multiplicam literalmente. Cada um deles interpreta quatro personagens. Só na barbearia do Queens, Murphy interpreta dois personagens e Arsenio um. É um sucesso, divertido. Muitos, até hoje, não saberiam que são eles fazendo outros personagens.

 

 

“Um Príncipe em Nova York” contou com um elenco recheado de estrelas. Algumas delas já consagradas à época, outras que se tornaram referências em Hollywood, por ocasião do longa.

Então, vamos de filme e clássico! Eles sempre merecem atenção. Vou assistir e trarei uma resenha sobre o longa. Porém, é importante assistir antes o pioneiro, de 1988, combinado !?

Tags:

Deixe sua resenha!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *