Nuzman diz não acreditar em compra de votos de Tóquio para sediar Olimpíada

Esportes

Nuzman diz não acreditar em compra de votos de Tóquio para sediar Olimpíada

Redação Folha Vitória

Rio - O presidente do Comitê Rio-2016, Carlos Arthur Nuzman, disse nesta sexta-feira que não acredita que Tóquio tenha comprado votos para sediar os Jogos Olímpicos de 2020. A suspeita foi levantada na quinta em investigação que envolve a Federação Internacional de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês). Nuzman foi mais longe e negou com veemência a chance de que tenha havido qualquer ato ilícito na campanha que escolheu o Rio de Janeiro como sede da Olimpíada deste ano.

"É uma questão que a gente não acredita, não trabalha com isso. Não vou comentar uma colocação dessas da qual eu não tenho maior conhecimento, maior vivência disso", afirmou Nuzman, logo após a cerimônia de entrega oficial da Arena Carioca 1, que sediará a competição de basquete nos Jogos deste ano e o evento-teste da modalidade a partir desta sexta.

Questionado sobre a chance de surgir suspeita semelhante sobre a escolha do Rio, Nuzman refutou qualquer possibilidade. "De jeito nenhum! No Rio não houve nada. Aliás, a margem de votos que nós ganhamos nos dá essa tranquilidade. Sessenta e seis a 32 (votos), foi a vitória mais elástica da história dos Jogos Olímpicos", afirmou.

Segundo relatório da comissão que investiga esquema de corrupção envolvendo a IAAF, a cidade de Istambul, na Turquia, deixou de receber o voto da entidade na eleição que escolheu a sede dos Jogos de 2020 por não ter feito um depósito de US$ 5 milhões (cerca de R$ 20 milhões) a um consultor da federação. O Comitê Olímpico Internacional (COI) promete investigar o caso.