Clubes do interior desafiam grandes do Estado nas quartas de final do Paulistão

Esportes

Clubes do interior desafiam grandes do Estado nas quartas de final do Paulistão

Redação Folha Vitória

São Paulo - As quartas de final do Campeonato Paulista começam neste sábado com dois jogos - Ponte Preta x Santos e Botafogo x Corinthians. Neste domingo, mais duas partidas: Linense x São Paulo e Novorizontino x Palmeiras. Em comum, os encontros que definirão os semifinalistas do torneio estadual apresentam duelos entre os grandes clubes e equipes do interior do Estado e as brutais diferenças de orçamento, folha salarial do elenco, infraestrutura, entre outras.

Um dos mais tradicionais clubes do interior, a Ponte Preta conta com a força do seu estádio para tentar superar o Santos. No Moisés Lucarelli, o aproveitamento do time de Campinas (SP) é de 61,1%, com três vitórias, dois empates e apenas uma derrota.

O time tem uma folha menor que a do adversário (aproximadamente R$ 1,2 milhão) e um teto salarial de R$ 150 mil mensais. O vice-presidente Giovanni Dimarzio reconheceu a importância de atuar em casa. "Nossa torcida sempre faz uma festa linda no Majestoso e isso é importante para valorizar o fator campo. Certamente, agora não será diferente".

Dentro de campo, destaque para a dupla formada por William Pottker e Lucca - juntos eles já marcaram 13 gols. O time ainda conta com a experiência de Aranha no gol.

O Botafogo chegou às quartas de final com uma das folhas salariais mais baixas do campeonato. A diretoria paga para os atletas algo em torno de R$ 300 mil mensais. Gerson Engrácia, presidente da equipe, foi sincero na projeção do confronto contra o Corinthians. "A gente sabe que é muito difícil, mas não é impossível. Vamos lutar e quem sabe o Sargento Garcia não consiga derrotar o Zorro. No futebol, nem sempre quem mais investe é quem ganha", disse.

Em relação ao elenco, o lateral-esquerdo Fernandinho, o meia Rafael Bastos, o atacante Kauê, além do zagueiro revelado pelo clube Matheus Mancini, filho do técnico da Chapecoense, Vagner Mancini, têm se destacado. "Seguramos 60% do elenco que disputou a Série C ano passado e reforçamos o elenco com uns 10 jogadores que chegaram para ser titulares", explicou o dirigente.

O Linense precisou fazer uma opção mais arriscada em termos técnicos e vai jogar as duas partidas contra o São Paulo no estádio do Morumbi, na capital paulista, com renda dividida. A diretoria espera que o dinheiro que a equipe de Lins (SP) vai receber a ajude a chegar ao final do ano com as contas em dia.

Se o São Paulo tem folha salarial mensal que gira em torno de R$ 6,5 milhões por mês, o Linense, adversário do time tricolor nas quartas de final, gasta entre R$ 450 e R$ 500 mil e tem o meia Thiago Humberto como principal estrela. O jogador de 31 anos tem passagens pelo Internacional, Vitória e Ceará e é o artilheiro da equipe no Paulistão.

O Novorizontino vê o confronto contra o Palmeiras como um prêmio pelo trabalho de reconstrução. O clube foi fundado com um outro nome em 2012, após a cidade ter ficado 13 anos sem times profissionais. "Nosso segredo foi trabalhar passo a passo. Quando montávamos o elenco, o foco era ter resultados na divisão em que estávamos, sem pensar em objetivos muito altos", explicou o presidente Genilson Santos.

A média salarial da equipe é de R$ 25 mil, enquanto que o teto é de R$ 35 mil. Entre os jogadores mais conhecidos estão o zagueiro Jéci, ex-Palmeiras, e o atacante Nilson, ex-Santos.