Presidente da CBF, Marco Polo Del Nero acredita que contrato não é 'tão ruim'

Esportes

Presidente da CBF, Marco Polo Del Nero acredita que contrato não é 'tão ruim'

Redação Folha Vitória

São Paulo - O presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, defendeu o contrato feito na administração Ricardo Teixeira com a ISE para a realização dos amistosos da seleção brasileira. Ele disse que o acordo foi estabelecido em uma época em que os jogos da equipe feitos no Brasil davam prejuízos e que, hoje, a entidade não corre o menor risco de ficar no vermelho quando o time entra em campo.

"O contrato, na medida do possível, a gente faz para cumprir. Nós chegamos e já tinha esse contrato, temos de cumprir. Eu não chego a dizer que esse contrato é tão ruim. Porque quando a gente jogava aqui no Brasil não chegava a tirar esse valor (US$ 1,05 milhão). Hoje quanto é isso? R$ 3 milhões é pouco? Se analisar, hoje o contrato é bom", disse Del Nero.

O presidente garantiu que, em todos os amistosos, as cotas de transmissão são da CBF. "O direito da televisão é nosso, da CBF. Qualquer maneira é da CBF. Fora do Brasil também".

Ele rebate o argumento de que os intermediários ganham muito mais do que a CBF com os amistosos. "Há jogos que dão prejuízos. O amistoso em Porto Alegre (contra Honduras, em 10 de junho) não vai ter lucro. Vai dar o quê? R$ 4 milhões? Fora do Brasil os amistosos que rendem bem é o momento de lucro deles. Eles perdem dinheiro, ganham dinheiro. Perdem e ganham. Mas a CBF não corre risco nenhum".

Del Nero enfatizou que não estava na entidade quando os contratos com a ISE foram feitos e afirmou não conhecer seus integrantes. Disse ter sido apresentado a um executivo, mas que seu contato era com um funcionário, com quem tratava sobre "uma série de fatores". "Mas fui informado que esse funcionário está saindo da empresa". A relação da diretoria da CBF é com a Pitch, empresa que desde 2012 faz a operação dos jogos da seleção.

O dirigente admitiu ter conversado, junto com o ex-presidente José Maria Marin, com o Grupo Figer, que tinha o objetivo de oferecer novo parceiro para a seleção. "Toda vez que vem uma proposta você tem de ouvir. Se for interessante, podemos romper o contrato (em vigência), desde que sejam pagas as multas. Então nós analisamos (a proposta da Kentaro, via Figer), mas não chegou àquilo que podia interessar", afirmou.