Problema de saúde da mãe fez Fábio, do Figueirense, abandonar jogo no intervalo

Esportes

Problema de saúde da mãe fez Fábio, do Figueirense, abandonar jogo no intervalo

Redação Folha Vitória

Campinas (SP) - O goleiro Fábio, do Figueirense, foi o principal personagem na derrota para o Boa na última terça-feira, por 2 a 0, pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro da Série B. Em plena estreia, ele jogou apenas 45 minutos, sofreu os dois gols e, no intervalo, deixou o time para pegar um táxi para sair do estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis.

O jogador explicou o ocorrido: um problema familiar foi o principal motivo para ter deixado o jogo durante o intervalo. "Entrei em um problema particular de saúde da minha mãe que já vem há um tempo. E na manhã do jogo o quadro se complicou um pouco, então eu fiquei com o psicológico abalado. Acho que eu deveria ter falado com alguém do Figueirense, mas não falei e acabei indo para o jogo com a cabeça ruim. Aí deu no que deu. Entrei abatido com a situação da minha mãe, sem concentração nenhuma, mal psicologicamente. Não estava pensando no jogo", afirmou.

A falta de concentração na partida claramente afetou Fábio. No primeiro gol do Boa, o goleiro saiu errado na bola e acabou tomando um gol de falta do meio de campo. Entretanto, ele garante que a falha não tem relação com a saída precoce do clube.

"Não foi nada do gol. No intervalo eu ia falar com o assessor. Eu devia ter feito isso antes do jogo. Não teve briga nenhuma com ninguém. No intervalo eu falei com o professor (Márcio Goiano, técnico), expliquei para ele o motivo que aconteceu e ele falou que tudo bem. Em relação à saída do estádio, foi pela saúde da minha mãe. Queria ver se conseguia viajar naquele momento para tentar chegar aqui o mais rápido possível", disse o goleiro, que está com a família em Itu (SP).

Com 38 anos, Fábio não sabe como será o futuro da carreira. Aliás, ele nem quer pensar nisso agora. Priorizando a saúde da mãe, o goleiro disse que "deixa o futuro para depois" e que o momento é de recuperar uma pessoa tão especial.

"Não estou pensando nisso, acho que o futebol fica em segundo plano nessa hora. Quando se trata de família, de mãe, o futebol fica em segundo plano. Vou dar uma pausa agora, recuperar minha mãe primeiro e depois ver como eu vou estar. Tenho, no máximo, mais dois anos de carreira. O futuro a gente vê depois", concluiu.

Fábio possui bastante experiência no futebol nacional. Além de passar pelo Figueirense, o goleiro já defendeu Criciúma, Ituano, Internacional (Limeira), Guaratinguetá, Mogi Mirim, Oeste, Ponte Preta, São Caetano e Atlético Sorocaba.