Aguirre minimiza crise palmeirense antes de clássico: 'Isso não facilita pra nós'

Esportes

Aguirre minimiza crise palmeirense antes de clássico: 'Isso não facilita pra nós'

Redação Folha Vitória

São Paulo e Palmeiras vão se enfrentar em momentos opostos neste sábado, às 21 horas, no Allianz Parque, pela nona rodada do Brasileirão. Líder (pelo menos até o jogo desta quinta entre Flamengo e Bahia) e invicto há 11 partidas, o time de Diego Aguirre vive boa fase, enquanto a equipe alviverde vem de oscilações e derrotas.

Mas, para o comandante tricolor, o São Paulo precisa estar atento e não pode contar com a crise nos rivais como vantagem para o final de semana. "Vamos pela vitória. Respeito todos os adversários e não posso, por um momento, achar que, por não ser a melhor fase deles, que isso facilitaria para o São Paulo. Teremos muitas dificuldades. Mas estou confiante", afirmou o comandante, em entrevista coletiva após a vitória por 3 a 2 sobre o Botafogo, na noite desta quarta-feira, no Morumbi.

Aguirre comemorou a liderança pelo menos provisória do Brasileirão, mas falou em ajustes necessários para a continuidade da competição. "É importante estar nas primeiras posições", disse. "Tem sido bom, mas temos de continuar trabalhando. Aos poucos, o time vai se entrosando e melhorando. Estou feliz por isso. Mas também sinto que temos coisas a melhorar", enfatizou.

O treinador se incomodou com a quantidade de faltas feitas pelo time tricolor contra os cariocas, principalmente próximas à grande área da equipe paulista. "Acertamos na recuperação e reposição rápida em direção ao gol, nos contra-ataques, mas fizemos muitas faltas desnecessárias perto da nossa área. Sabíamos que eles eram fortes na bola parada e isso deve ser melhorado."

O comandante ainda explicou a opção de escalar o São Paulo com cinco novidades diante do Botafogo. Marcos Guilherme, Régis, Petros, Edimar e Anderson Martins foram titulares. "Temos que nos planejar. Temos jogos decisivos a cada três dias neste campeonato. Às vezes, temos de nos planejar e até assumir riscos para estar sempre bem. Faz parte", afirmou.