Atleta capixaba defende as cores do Brasil no Campeonato Mundial de futevôlei

Esportes

Atleta capixaba defende as cores do Brasil no Campeonato Mundial de futevôlei

Com apenas 16 anos, Rayana já conquistou vários prêmios. Em 2013, faturou duas medalhas de bronze: uma no Mundial e outra no Campeonato Brasileiro, sendo “Atleta Revelação” nessa competição

Apesar de relatar muita ansiedade, a atleta está se sentindo feliz, por mais uma vez representar o Brasil Foto: Lucas Calazans​

A partir desta quinta-feira até o dia 26 de junho, a atleta de futevôlei Rayana Servare disputará o Campeonato Mundial da modalidade em Viena, na Áustria. Ela fará dupla com Vânia Moraes, com quem ganhou o Campeonato Sul-Americano em 2015, no Paraguai.

Criada no bairro Jardim América, em Cariacica, Rayana está entre os 39 esportistas que foram contemplados pela Lei Horácio Carlos Rosa em 2016. Por meio da lei, ela consegue pagar todas as suas passagens, além de comprar bolas e uniformes para utilizar em seus treinamentos.

Apesar de relatar muita ansiedade, a atleta está se sentindo feliz, por mais uma vez representar o Brasil. “Nunca fui para tão longe e espero que tenha várias outras oportunidades como essa”, afirmou.

Com apenas 16 anos, Rayana já conquistou vários prêmios. Em 2013, faturou duas medalhas de bronze: uma no Mundial e outra no Campeonato Brasileiro, sendo “Atleta Revelação” nessa competição. Já em 2015, ganhou o Sul-americano e ficou em segundo lugar na Copa Brasil. Este ano, foi “Atleta Destaque” do Rainha do Brasil.

A esportista pode se considerar uma privilegiada. Desde pequena, desfruta da arena de futevôlei construída atrás de sua casa por seu pai, Roberto Luis Servare. Ele nunca havia praticado a modalidade, no entanto, quando ia à praia, observava anônimos e, principalmente, amigos, jogando futevôlei. Daí, teve a ideia de fazer uma quadra no terreno de sua residência e abrir uma escolinha.

Com um ano de idade, Rayana viu garotos se divertindo na arena e escolheu-a como espaço ideal para suas brincadeiras diárias. Ao longo do tempo, Roberto percebeu que ela tinha talento e, quando a filha completou dez anos, passou a treiná-la. Aos 12, sua menina disputou o primeiro Campeonato Brasileiro e ficou em quinto lugar. A partir de 2013, a atleta iniciou um treinamento específico com um professor de futevôlei na Praia da Costa, em Vila Velha.

Foi então que, em 2016, seu pai tomou conhecimento de que ela foi beneficiada pela Lei Horácio Carlos Rosa. Além de ler a publicação no Diário Oficial de Cariacica, ele foi avisado pelo secretário municipal de Esporte e Lazer, Edvaldo Erlacher. “Faço questão de prestigiar nossos atletas”, destacou o secretário.