• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Após México sofrer para avançar à semi, meia defende rodízio de Osorio na Rússia

  • COMPARTILHE
Esportes

Após México sofrer para avançar à semi, meia defende rodízio de Osorio na Rússia

O meia Santos defendeu que esse rodízio de atletas era necessário pelo curto espaço de tempo entre as partidas. Osorio segue adotando um rodízio de atletas na equipe titular

México sofreu para avançar para semifinal das confederações Foto: Reprodução/Instagram

Kazan - Apesar das críticas que o técnico Juan Carlos Osorio recebeu por promover uma série de rotações de jogadores nas escalações do México na Copa das Confederações, os jogadores da seleção do país garantem estar respaldando a filosofia adotada pelo treinador, garantiu nesta segunda-feira o meio-campista Jonathan dos

Santos em entrevista coletiva na Rússia, palco deste principal evento-teste da Fifa para a Copa do Mundo de 2018.

Desde que assumiu o comando da seleção mexicana, no final de 2015, o comandante jamais repetiu uma mesma escalação ao longo de suas 27 partidas à frente da equipe nacional, que na última delas, no sábado, em Kazan, precisou buscar uma virada por 2 a 1 diante dos anfitriões russos e conviveu com o risco de ser eliminado na rodada final do Grupo A da competição.

Osorio segue adotando um rodízio de atletas na equipe titular para prevenir lesões e preservar a condição física dos jogadores, sendo que ele já levou a campo nesta Copa das Confederações 22 dos 23 convocados - apenas o terceiro goleiro da seleção, Rodolfo Cota, não atuou em nenhuma das três partidas da primeira fase.

A rotação na seleção, porém, inevitavelmente cobra o seu preço, pois dificulta o entrosamento do time, que sofreu muito nos três jogos que fez nesta Copa das Confederações. Além de buscar um empate por 2 a 2 com Portugal na estreia, graças a um gol marcado no final, e ir atrás de uma virada contra os russos, o México precisou reagir para derrotar a Nova Zelândia por 2 a 1 em um confronto no qual os adversários também saíram na frente no placar.

"O mais importante para o time com as rotações é que todos nos sentimos importantes", ressaltou Jonathan dos Santos após um treino realizado nesta segunda-feira. "Com todos tendo minutos em campo se viu que tivemos grandes resultados, isso é o que faz forte um grupo", completou o meio-campista do Villarreal ao defender a estratégia de Osorio.

O ex-treinador do São Paulo, no qual também recebeu muitas críticas pelas mudanças constantes que promovia na equipe titular, realizou oito alterações na escalação entre o jogo de estreia com Portugal e a equipe que superou a Nova Zelândia na segunda rodada do Grupo A.

Entretanto, Jonathan dos Santos defendeu que esse rodízio de atletas era necessário pelo curto espaço de tempo entre as partidas. "Essa é uma parte importante do trabalho do professor, que tem o feito da melhor maneira na Copa das Confederações, em que há poucos dias de descanso. Era vital que se rodassem jogadores e vimos que quem jogará dará os resultados", disse o atleta, que foi titular em dois dos três jogos do México na Rússia e aparece com grande chance de voltar a ser escalado na semifinal de quinta-feira contra a Alemanha, às 15 horas (de Brasília), em Sochi.

RETROSPECTO AJUDA OSORIO - Desde que Osorio assumiu a seleção mexicana, o time nacional só perdeu duas partidas, mas uma delas foi emblemática, sofrida na Copa América Centenário do ano passado, quando foi massacrado por 7 a 0 pelo campeão Chile nos Estados Unidos. Os mexicanos, porém, voltaram aos trilhos após o revés e hoje lideram o hexagonal final das Eliminatórias da Concacaf para a Copa do Mundo de 2018, da qual se veem muito próximos de assegurar classificação.

Rival da próxima quinta-feira, a Alemanha venceu o México nos quatro jogos oficiais anteriores entre as seleções, sendo um deles por 4 a 3 na decisão do terceiro lugar da Copa das Confederações de 2005. Na época, porém, os mexicanos enfrentavam o favoritismo de uma seleção alemã que jogava em casa no evento-teste para o Mundial de 2006, enquanto agora os atuais campeões do mundo levaram para a Rússia uma equipe cheia de jogadores jovens e considerados reservas, em estratégia do técnico Joachim Löw para dar rodagem aos atletas que poderão ser convocados para a Copa de 2018.

Por isso, agora o México entrará em campo nesta quinta-feira com uma responsabilidade maior e confiante de que pode superar os alemães. "O time está trabalho por muito tempo em um grande nível e isso se vê nos resultados. Eu, que estou aqui, te digo que há confiança, estou empolgado e com grande vontade de fazer grandes coisas. Estamos 100% com o professor (Osorio). É um jogo difícil, mas podemos ganhar de qualquer um que enfrentarmos", aposta Jonathan dos Santos.