Presidente do COI vê bom avanço na preparação do Rio

Esportes

Presidente do COI vê bom avanço na preparação do Rio

Redação Folha Vitória

Lausanne - O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, afirmou nesta quarta-feira que a organização da Olimpíada do Rio será beneficiada pelo sucesso da Copa do Mundo no Brasil. Segundo ele, já é possível ver evolução no trabalho para superar os atrasos na construção das estruturas necessárias para os Jogos de 2016.

Mesmo com a derrota por 7 a 1 para Alemanha na semifinal, a Copa do Mundo ainda terá efeitos positivos para a autoestima da população do Brasil, avaliou Bach. Para o dirigente, "os brasileiros irão abraçar a Olimpíada após seu dia de luto".

Bach estará no Rio para acompanhar no domingo a final da Copa do Mundo. Antes disso, ele deve ter encontro na sexta-feira com a presidente Dilma Rousseff para discutir o andamento das preparações para a Olimpíada. "A cidade do Rio, junto a seu prefeito e governador, avançou nas questões governamentais e está fazendo progresso em diferentes locais de competição", afirmou o dirigente, em entrevista coletiva nesta quarta, em Lausanne, na Suíça.

Ainda assim, ele alertou para os prazos apertados para que o Rio faça as obras necessárias - vale lembrar que, em abril, o COI designou uma força-tarefa com direito a um interventor (Gilbert Felli) para monitorar a evolução da empreitada. "Temos que continuar vigilantes e não podemos perder tempo, mas dá para sentir a determinação e o entusiasmo do Comitê Organizador", afirmou.

Bach citou o início da construção, na semana passada, do Complexo Esportivo de Deodoro, assim como o progresso na construção do centro de mídia e do laboratório antidoping, como exemplos do progresso que o Rio tem feito. "Nossa maior preocupação agora é com os locais de competição, é necessário que estejam prontos para os eventos-teste", ressaltou.

O principal executivo do COI admitiu ter ficado feliz por não ter havido grandes problemas no decorrer da Copa do Mundo, inclusive com protestos muito menos intensos que os de 2013, e acredita que a situação será a mesma nos Jogos Olímpicos. "A Copa do Mundo e a atmosfera do País serão certamente favoráveis à Olimpíada", disse Bach.