• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Após ouro, Fratus exalta revezamento: 'Uma das melhores equipes da história'

  • COMPARTILHE
Esportes

Após ouro, Fratus exalta revezamento: 'Uma das melhores equipes da história'

Toronto - O Brasil fechou o primeiro dia da natação com a medalha de ouro no revezamento 4x100 metros livre nos Jogos Pan-Americanos de Toronto. Os nadadores Matheus Santana, João de Lucca, Bruno Fratus e Marcelo Chierighini garantiram a vitória com o tempo 3min13s66 e mostraram capacidade de superação na piscina.

Depois de um início ruim, Bruno Fratus foi essencial na prova de recuperação ao mudar a estratégia. O atleta acredita que o País pode esperar bons resultados do time, que em Toronto está desfalcado de Cesar Cielo. "Se não for a melhor equipe que o Brasil já teve, é uma das melhores. É uma prova que está tendo uma evolução natural dentro do time, a gente está voltando a ser o 4x100m que era na época do Gustavo (Borges) e do Fernando (Scherer)."

No feminino, a medalha de bronze no revezamento 4x100 metros livre foi bastante valorizada pelas nadadoras. Larissa Martins, Gracielle Herrmann, Daynara de Paula e Etiene Medeiros ficaram bem próximas da equipe norte-americana, composta por medalhistas olímpicas, e de quebra bateram, com muita folga, o antigo recorde sul-americano.

"Nadamos de igual para igual o tempo inteiro. Não dava para falar quem ia ganhar, a gente ficou realmente o tempo inteiro tentando. Queremos conquistar o nosso espaço na natação feminina, estamos treinando muito e hoje (terça) a gente veio preparada para mostrar isso para todo mundo", afirma Larissa.

INDIVIDUAL - A medalha de ouro não veio, mas Joanna Maranhão estava tão satisfeita com o bronze como se tivesse subido ao lugar mais alto do pódio. Para a atleta, que estava lesionada no Pan de Guadalajara (2011) e depois deu um intervalo na carreira, o tempo da prova foi o seu grande trunfo. Ela fechou os 200 metros borboleta em 2min09s38 e baixou em 0s03 o seu recorde sul-americano.

"Mais importante do que medalha foi o fato de estar nadando o meu melhor tempo, tinha feito 2min09s040 com traje (tecnológico) na época de 2009 e desde então estava buscando muito bater esse recorde. Tinha essa meta de nadar todos os tempos melhores do que na época com traje. Se veio com medalha, melhor ainda", comemora.

Já o tempo de Marcelo Chierighini (48s80) nos 100 metros livre ficou um pouco abaixo do esperado, mas ele não lamentou o terceiro lugar e diz ter sido surpreendido pelo argentino Frederico Grabich. "Estou bem satisfeito com o bronze no meu primeiro Pan. O tempo não foi bem o que eu queria, mas acertei a passagem, o argentino veio ali meio forte no final e surpreendeu. O Mundial vai estar bem forte nessa prova", projeta.