Gian Piero Ventura renova contrato para comandar a seleção italiana até 2020

Esportes

Gian Piero Ventura renova contrato para comandar a seleção italiana até 2020

Redação Folha Vitória

Roma - O técnico Gian Piero Ventura assinou novo acordo para seguir no comando da seleção da Itália pelo menos até 2020. Carlo Tavecchio, presidente da Federação Italiana de Futebol (FIGC, na sigla em italiano), anunciou o acordo oficialmente nesta quarta-feira em coletiva de imprensa.

No encontro com os jornalistas, o treinador de 69 anos de idade agradeceu à entidade pela "confiança" em seu trabalho e ressaltou de forma esperançosa: "Há uma absoluta convicção de que podemos alcançar algo importante".

Ventura assumiu o comando da seleção italiana em julho do ano passado, quando substituiu Antonio Conte, que deixou o time nacional para dirigir o Chelsea logo depois de a Itália ter sido eliminada nas quartas de final da Eurocopa realizada na França.

O novo treinador acabou sendo premiado pela boa campanha exibida até aqui pela Itália nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018. Os italianos ainda estão invictos no qualificatório europeu para o Mundial da Rússia e lideram o Grupo G desta competição, com 16 pontos, mesma pontuação da Espanha, vice-líder pelos critérios de desempate.

Com cinco vitórias e um empate em seis partidas disputadas até aqui, a Itália vai enfrentar justamente os espanhóis na próxima rodada das Eliminatórias, no dia 2 de setembro, em Madri, onde espera somar ao menos um ponto fora de casa para se manter no topo do Grupo G - apenas os líderes de cada chave garantem vaga direta na Copa, enquanto os segundo colocados disputarão um playoff por um lugar no Mundial.

Anteriormente, Ventura havia assinado um acordo para comandar a seleção italiana até 2018, mas agora reformou o compromisso para seguir no cargo até 2020, quando será realizada a próxima edição da Eurocopa. Ao falar sobre os seus maiores objetivos nestes próximos três anos, o treinador destacou que o primeiro deles é classificar o time nacional para o Mundial da Rússia, o segundo é fazer a seleção brilhar como "a revelação" da competição e o terceiro chegar ao principal torneio europeu de seleções "entre os favoritos" ao título.

Tavecchio, por sua vez, ressaltou nesta quarta-feira que está empolgado com o trabalho que vem sendo feito pelo técnico e disse considerar que o mesmo deu início a um projeto de "mudança geracional e cultural" no mundo esportivo italiano.