Clubes negociam com Uefa para evitar criação de Superliga pelo menos até 2024

Esportes

Clubes negociam com Uefa para evitar criação de Superliga pelo menos até 2024

Redação Folha Vitória

Genebra - O presidente da Associação de Clubes Europeus (ACE), Karl-Heinz Rummenigge, revelou nesta terça-feira que tem programadas em sua agenda negociações com a Uefa para evitar a possibilidade de que seja criada uma Superliga independente de clubes na Europa ao menos até 2024.

Duas semanas depois de a entidade que controla o futebol europeu e a ACE entrarem em acordo em relação a cotas e prêmios para os times até a Liga dos Campeões de 2021, o consagrado ex-jogador alemão e dirigente de peso do Bayern de Munique afirmou que logo serão iniciadas as tratativas para o ciclo de três anos que virá depois do que já foi acordado para a principal competição de clubes do futebol europeu.

"Esta é uma espécie de garantia para que os clubes permaneçam unidos sob o guarda-chuva da Uefa", ressaltou Rummenigge, falando dois dias depois de participar de uma reunião fechada na qual ficou evidente a desunião e o descontentamento de clubes que integram ligas nacionais de segundo escalão do Velho Continente com um acordo financeiro firmado no mês passado. O mesmo contempla as equipes que participam ou vierem a disputar a Liga dos Campeões ou a Liga Europa nas próximas temporadas.

A ameaça da criação de uma liga independente, com a presença de clubes mais ricos ou de maior tradição, sempre ocorre antes da negociação de contratos de transmissão de TV e patrocínio. A receita total dos acordos firmados pela Uefa entre 2015 e 2018 para as disputas da Liga dos Campeões e Liga Europa bate na casa de 2,2 bilhões de euros (cerca de US$ 2,47 bilhões) por ano.

O acordo atual entre a ACE e a Uefa, por sua vez, também irá expirar em 2021. E, de qualquer forma, Rummenigge prometeu nesta terça-feira: "Iremos cooperar no futuro com a Uefa, não há menos dúvida a respeito disso".

Os 153 clubes que participam deste processo de negociação que tem a Uefa como principal referência esperam um aumento de receitas de 30%, em média, nas próximas edições das competições europeias, projetando um total de 3,2 bilhões de euros (aproximadamente US$ 3,6 bilhões).