Em 23º após nove regatas, Bimba dá adeus à chance de bom resultado no Mundial

Esportes

Em 23º após nove regatas, Bimba dá adeus à chance de bom resultado no Mundial

Redação Folha Vitória

Al-Mussanah - Não será desta vez que Ricardo Winicki Santos, o Bimba, líder do ranking mundial, vai voltar ao pódio de um Mundial de RS:X na vela. Nesta quinta-feira a competição foi retomada em Al-Mussanah, em Omã, após um dia de folga, e o brasileiro manteve o desempenho ruim. Após nove regatas, ele é agora o 23.º colocado, tendo ganhado duas posições em comparação com terça-feira.

Após o fim da fase de classificação, que se prolongou por segunda e terça, os windsurfistas foram divididos em duas flotilhas, de acordo com a classificação geral naquele momento. Bimba ficou na ouro, restrita aos 41 primeiros.

Nesta quinta foram realizadas três regatas desta fase final e o brasileiro acumulou um 38.º, um 18.º e um sétimo lugares, alcançando 111 pontos perdidos, uma vez que o pior resultado foi descartado.

Na prática, ele não tem mais chances de se classificar à medal race, que será no sábado. Afinal, o décimo colocado tem 69 pontos perdidos após nove regatas e apenas outras três serão disputadas na sexta-feira. Mesmo com uma campanha perfeita, Bimba não conseguiria subir tanto.

A liderança segue com o francês Pierre Le Coq, que não foi bem nas regatas desta quinta-feira e agora tem 25 pontos perdidos. Mesmo assim, tem boa margem sobre o polonês Piotr Myszka, que soma 31. Em terceiro vem Mateo Sanz Lanz, da Suíça, com 36 pontos perdidos.

No feminino, Patrícia Freitas também ganhou duas posições em relação à classificação de terça-feira e agora é a 20.ª colocada. Nesta quinta, ela manteve certa regularidade, com um 13.º, um 17.º e um 16.º lugares nas regatas do dia.

Com 79 pontos perdidos, Patrícia tem pequenas chances de avançar à medal race, uma vez que a 10.ª colocada soma 45 pontos perdidos. A flotilha ouro, entretanto, tem apenas 30 pranchas à vela - o que significa que 30 pontos é o máximo que um atleta pode perder em uma regata no feminino.

O Brasil também está sendo representado por Bruna Martinelli, que é a 12.ª colocada na flotilha prata. Na prática, ela é a 42.ª entre 59 competidoras, sem possibilidade de entrar entre as 30 primeiras. O resultado do Mundial, de qualquer forma, não fará diferença pensando nos Jogos Olímpicos. Bimba e Patrícia já estão convocados para defender o Brasil, que tem convite para todas as classes.