Futuro da Escola Fabiano de Paula preocupa tenista: 'Ano que vem é uma incógnita'

Esportes

Futuro da Escola Fabiano de Paula preocupa tenista: 'Ano que vem é uma incógnita'

Redação Folha Vitória

São Paulo - Mentor do projeto social na Rocinha, o tenista Fabiano de Paula está preocupado com o futuro da escola que leva o seu nome. Em razão da crise econômica, com efeitos mais fortes sobre o Estado do Rio de Janeiro, o atleta não sabe se conseguirá manter para 2018 os apoios que ajudam a sustentar o projeto.

"O ano que vem é uma incógnita", disse Fabiano de Paula, de 28 anos. "Vamos tentar manter um ou dois professores, uma pessoa para a assistência social". A escola atende cerca de 80 crianças atualmente e é bancada basicamente pelo suporte do Instituto Tennis Route e do Rio Open, com apoio da secretaria estadual de Estado de Esporte, Lazer e Juventude.

A Escola Fabiano de Paula surgiu em 2015, quando o tenista decidiu aproveitar a quadra de saibro quase abandonada na Rocinha para ocupar as crianças da comunidade com o esporte. "O objetivo nunca foi formar tenistas, mas ensinar educação e disciplina aos meninos e meninas", explicou o atleta, que também mora na favela. "A Escola faz a criança pensar que há uma vida diferente, um futuro melhor".

Ele também conta com doações e ajuda de amigos para sustentar o projeto. Pessoalmente, o atual 143.º do ranking de duplas da ATP busca patrocínio para se manter no circuito profissional. O tenista, que vai ser pai em dezembro, treina na Tennis Route com o técnico Duda Matos, que também trabalha com Thiago Monteiro e Beatriz Haddad Maia, dois dos principais tenistas do Brasil.