Gabriel Medina sonha com a conquista do Pipe Masters para fechar o ano em alta

Esportes

Gabriel Medina sonha com a conquista do Pipe Masters para fechar o ano em alta

Na próxima terça-feira Medina deixa Maresias, no litoral paulista, e embarca para a disputa de duas etapas na meca do surfe, em Sunset, válida pela divisão de acesso

Redação Folha Vitória
Apesar de já não ter mais chance de título, Medina vai tentar a conquista inédita do Pipe Masters Foto: Reprodução/Instagram

São Paulo - O surfista Gabriel Medina está finalizando seus últimos compromissos com patrocinadores para poder partir para o Havaí. Na próxima terça-feira ele deixa Maresias, no litoral paulista, e embarca para a disputa de duas etapas na meca do surfe, em Sunset, válida pela divisão de acesso, e depois o Pipe Masters, última etapa do Circuito Mundial.

Apesar de já não ter mais chance de título, ele vai tentar a conquista inédita do Pipe Masters - bateu na trave nos dois últimos anos, ficando em segundo lugar, atrás de Julian Wilson em 2014 e Adriano de Souza no ano passado. Claro que ele sonha em defender o título da Tríplice Coroa Havaiana, mas como não participou da primeira etapa, que está ocorrendo em Haleiwa, suas chances são menores, apesar de matematicamente possíveis.

Nesta quinta-feira, Medina veio a São Paulo para prestigiar um evento da Coppertone, um de seus patrocinadores, junto com a apresentadora Fernanda Paes Leme e o tatuador Rico Fogaça, e mais tarde estará no Salão do Automóvel, no estande da Mitsubishi. Depois disso, ficará concentrado nos treinos na expectativa de fazer bonito no Havaí.

"Meu objetivo é ganhar em Pipeline. Bati na trave duas vezes e agora quero vencer. Também vou disputar em Sunset, mas a prioridade é o Pipe Masters. Sempre foi um sonho conquistar essa etapa e vou lá para isso. Tomara que consiga", afirmou Medina, que foi bastante tietado no evento.

Gabriel Medina foi campeão mundial em 2014, o primeiro brasileiro a conquistar esse título. No ano seguinte, chegou perto, mas viu Adriano de Souza, o Mineirinho, levantar a taça. Neste ano brigou pela ponta até a etapa portuguesa em Peniche, quando uma eliminação precoce abriu caminho para o havaiano John John Florence conquistar seu primeiro título mundial.