Nosso crescimento é nossa responsabilidade, o atraso também

Felicidades e tristezas, alegrias e decepções. Altos e baixos, rápido ou devagar: todas estas variações estão presentes na vida de cada pessoa ao longo de sua existência. Compreender que é comum essa variação nos torna um pouco mais desapegados. Passamos a aproveitar melhor bons momentos e não se identificar tanto com os ruins, afinal, é passageiro.

Ao não aceitar isso todavia, começamos a distribuir culpa pela vida, procuramos culpar pessoas ou infortúnios por nossas mazelas, por vezes manifestando palavras ofensivas, falta de paciência, ou se isolando simplesmente.

Em todo caso, é importante compreender que tudo que acontece em nossas vidas, tido como bom ou ruim, em algum aspecto e proporção conta com nossa responsabilidade. E ao falarmos isso, não se enganem, existem inúmeras formas de ser responsável por alguma coisa.

O senso comum atribui responsabilidade ao fazer algo, tanto é que quando somos jovens e tentam nos atribuir algum tipo de falta, por vezes escutamos ou falamos “mas eu não fiz nada”. E daí achamos que se nada fizermos, então não temos conexão com o resultado.

Mas ao crescermos, o que fica muito claro é que o livre arbítrio nos foi dado para fazer escolhas em nossas vidas, e estas incluem tanto o fazer como o não fazer, falar ou não falar, agir ou reagir, ajudar ou não ajudar, enfim, exemplos não faltam, e mesmo a omissão é uma escolha.

Cada um nasce em uma realidade e recebe aquilo que lhe poderia ser dado conforme as condições do lugar, da família e das pessoas, e a partir de certa idade, é livre para conduzir sua jornada. Tudo é escolha, e na larga maioria, é pessoal.

Imaginando um mínimo de acesso, cada pessoa escolherá desde a comida que coloca no prato até o conteúdo que absorve em redes sociais. Destaco o cenário imaginário pois reconheço que a realidade de muitos pode se apresentar como “um beco sem saída” onde não há escolha ou sejam limitadas.

Em último caso, a responsabilidade se encontra em reconhecer a dificuldade e procurar ajuda, ou aceitar a ajuda. Em tantas ocasiões, escolhemos não ser ajudados por orgulho ou pela sensação de que não seremos bons o bastante. Mas, costuma ser o contrário.

Pedir ou aceitar ajuda demonstra humildade, coragem e grandeza. Humildade por reconhecer as próprias fragilidades, coragem por enfrenta-las e grandeza por querer sobrepor cada uma. Em todo caso, nosso crescimento é nossa responsabilidade, o atraso também.

* artigo escrito por Rafael Ottaiano, fundador da Positiv Network.

** conteúdo em vídeo no canal do YouTube, inscreva-se!

*** receba os artigos em primeira mão e de fácil compartilhar, clicando aqui.

3 Respostas para “Nosso crescimento é nossa responsabilidade, o atraso também

  1. Ótimo texto! Somos responsáveis por tudo que acontece em nossa vida e temos o poder de mudar nossas escolhas sempre que estiverem em desacordo com o que desejamos. Se não mudamos tudo se repete. Resultados diferentes ( bons ou não) dependem de escolhas distintas. E é tão incrível saber que nada é fixo. Só a mudança promove o crescimento.

  2. Que texto maravilhoso! A vida passa em questão em segundos, e cada segundo é precioso. Ninguém precisa ser produtivo o tempo todo, mas precisamos cuidar para não usar isso como uma desculpa para estagnar.
    Excelente reflexão 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *