Do que você tem medo nesta vida?

Simples e direto: do que você tem medo? Talvez num primeiro instante suas respostas estejam conectadas com situações que causam desconforto como  excesso de velocidade, grandes alturas, ou afogar-se pra quem não sabe nadar. Outras pessoas podem ter medo de répteis ou peçonhentos como cobras, aranhas ou mesmo outros animais tidos como nojentos.

Em todo caso, a larga maioria das pessoas tem medo de morrer. A forma como esse medo se materializa está conectado aos traumas e vivências de cada pessoa, de modo que tenha se aproximado mais ou menos de situações que colocam a vida em risco, seja a sua ou de terceiros próximos. Aqui vale destacar que o risco de vida pode ser ocasionado por acidentes, situações de falta extrema ou algum tipo de doença, inclusive mental.

Essa morte da qual falamos é a morte do corpo físico onde o indivíduo já não mais pode interagir, cessam suas forças e param de funcionar os órgãos, conclui sua jornada na Terra. Mas existe uma outra morte que amedronta as pessoas tanto quanto, e esta é capaz de nos fazer perder o brilho da vida, e mesmo vivos acabamos apenas existindo: chama-se a morte de quem acreditávamos ser.

Todos construímos uma noção de quem deveríamos ser, um conjunto de expectativas e sonhos que por vezes nem são realmente nossos. Ás vezes um sonho dos pais ou família é o que nos orienta, outras vezes a responsabilidade de fazer melhor do que aqueles que nos antecederam. Em todo caso, expectativas são geradas.

Fixar-se em pontos tão específicos endurece a noção de vida que constantemente nos sugere ser flexíveis. E não se engane por achar que isso ocorre apenas com quem tem poucas posses, ao contrário, em grande parte acomete quem muito tem mas pouco sabe reconhecer.

Não se sentir capaz ou reconhecido, não ser bom o bastante ou não ser amado, ser excluído ou ficar sozinho, são medos tão reais e presentes quanto qualquer outro. E neste caso, são capazes de nos tornarem ásperos, impacientes, chatos ou mesmo intolerantes. Sem perceber projetamos no outro a razão pela qual nos sentimos mal.

Divido uma lição que muito me ensinou: “quem ataca se defende”. Na próxima vez que alguém lhe for grosso ou indelicado, se for possível, tente imaginar os medos que acometem aquela pessoa. Em situações extremas, o ser humano se assemelha ao animal que ataca com medo de ser ferido.

* artigo escrito por Rafael Ottaiano, fundador da Positiv Network.

** conteúdo em vídeo no canal do YouTube, inscreva-se!

*** receba os artigos em primeira mão e de fácil compartilhar, clicando aqui.

5 Respostas para “Do que você tem medo nesta vida?

  1. É assim que também tenho percebido à minha volta, em especial durante a prática da Mediação. Ao mediar conflitos com o uso das adequadas técnicas, é possível espelhar ao participante a realidade ( e consequências) do medo, colocando-o em posição prospectiva (sempre) sobre o que decidirá fazer. Muitos, por vezes demonstram medo de olhar para dentro e para frente , em razão “do quê” estão vendo à sua volta.

  2. É assim que também tenho percebido à minha volta, em especial durante a prática da Mediação. Ao mediar conflitos com o uso das adequadas técnicas, é possível espelhar ao participante a realidade ( e consequências) do medo, colocando-o em posição prospectiva (sempre) sobre o que decidirá fazer. Muitos, por vezes demonstram medo de olhar para dentro e para frente , em razão “do quê” estão vendo à sua volta.

  3. ESTÁ FRASE ME REMETE A MUITAS COISAS: Todos construímos uma noção de quem deveríamos ser, um conjunto de expectativas e sonhos…. Desde muito jovem eu pensei em ser uma pessoa que sempre batalhava por tudo, fui assim por muitos anos e há 7 anos mais ou menos meu brilho se acabou, me sinto incapaz de muita coisa, mas voltei a estudar, me formei, fiz um curso de mercado de capitais e ainda não prestei a prova para o certificado por medo de não passar e por pura insegurança em mim mesma, vivo com falta de ânimo e medo de novos desafios, hoje eu tenho 45 anos e não vejo horizontes para mim, sou casada há 18 anos um filho de 14 e um cachorro de 1 ano e sinto-me sozinha e sem apoio. Sou uma pessoa que dou colo à todos e ajudo como posso, mas eu não tenho isto recíproco na minha vida, não tenho com quem conversar e entender tudo o que sinto, pois muitos me julgam por ter “tudo”, mas na verdade eu não tenho o que eu mais preciso, o que será que eu preciso? Ter força? Ter mais ânimo para realizar meus objetivos? Não sei a resposta. A tristeza e o medo me domina e por fora me demonstro forte para não afetar os que me rodeiam. De tudo o que eu sinto e penso, eu ainda preciso pensar na minha família onde cada um está em um canto da casa sem saberem como eu estou por dentro. A solidão é minha e não posso projetar isto a ninguém. Já fiz terapia, ações sociais, mas ainda acho que não preciso mais pertencer a este mundo. A dor de estar sozinha aqui dentro é tão forte que não me deixa lutar por aquilo que eu preciso, crescer em todos os aspectos na minha vida. Hoje eu acordei chorando muito e sem norte para meu eu, rezei muito pedindo uma luz divina, acredito que Deus precisa escutar minhas orações e me dirigir para um norte, pois não sei quanto tempo mais eu vou conseguir suportar este vazio. Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *