Estudo mostra eficácia da abordagem interdisciplinar de ensino bilíngue

abordagem interdisciplinar de ensino bilíngue
Compartilhe esta notícia

Estudo da Universidade de Jyväskylä, da Finlândia, referência mundial em educação, comprova a eficácia da abordagem interdisciplinar de ensino bilíngue denominada “Conteúdo e Língua Integrados à Aprendizagem” (CLIL), idealizado na época da criação da Comunidade Econômica Europeia, no qual o aluno adquire um idioma adicional ao mesmo tempo em que estuda as disciplinas do currículo principal, como matemática ou história. Seu criador, David Marsh, que atua globalmente na sua disseminação, é coautor e colaborador exclusivo no Brasil do programa bilíngue da Realvi.

A Realvi, nascida em 2017, é a primeira e única edtech do mercado a desenvolver uma metodologia que alia a abordagem interdisciplinar de ensino bilíngue, o CLIL, com tecnologias imersivas (como realidade virtual e aumentada), foco no protagonismo, produção oral e individual dos alunos. O que somente é possível com suportes tecnológicos como o reconhecimento da voz dos alunos e o uso de inteligência artificial.

Diego Dias, fundador da Realvi, explica que para isso a Realvi criou um “mundo” onde os alunos são transportados para outros locais e épocas. Dessa forma, eles conversam com personagens históricos ou que seriam inacessíveis sem o uso de tecnologia.

Carlos Trindade, sócio da Realvi, explica que o CLIL permite que os alunos reduzam os efeitos negativos resultantes da distância psicológica. Então, ao desencadear um processo simultâneo de aquisição de conhecimento, o CLIL torna possível um aprendizado profundo. Uma pessoa pode aprender um idioma ao longo de muitos anos como objeto de estudo. Isso pode resultar em que seja capaz de mostrar conhecimento da língua em testes, mas não garante o pensar naquele idioma, numa perspectiva mais ampla.

Os possíveis benefícios para a mente e o cérebro como resultado da habilidade de pensar em mais de uma língua têm sido um importante foco de pesquisas, salienta Trindade. “Os dois idiomas formam um sistema conectado único para processos de pensamento”, frisa, citando uma das conclusões do trabalho da Universidade de Jyväskylä.

“Os benefícios são percebidos mesmo quando um aluno inicia o processo de usar uma linguagem adicional para pensar e aprender. Esses benefícios podem ser fisiológicos, neurológicos e psicológicos, além disso são significativos na compreensão da relação entre inteligência fluida e cristalizada”.

No período de 2000 a 2020, uma pesquisa em neurociência cognitiva permitiu que os pesquisadores vissem a estrutura física e as atividades no cérebro em uma escala sem precedentes. Uma série de relatórios argumenta que os bilíngues têm capacidade de função executiva superior em várias formas à dos monolíngues. Tal vantagem pode estar ligada à gestão de dois ou mais sistemas de linguagem ativos e à experiência dessa gestão ao longo do tempo.

Veja mais conteúdos sobre educação e tecnologia no EducaTech.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *