As perspectivas de estagnação na América Latina

Um novo relatório da Economist Intelligence Unit (EIU) chamado “Growth in an uncertain global environment” traz um olhar de preocupação para a América Latina. Algumas das muitas questões apontadas no relatório já foram debatidas em outros artigos meus neste espaço. Vejamos então apenas alguns pontos desse debate público.

O fato de as maiores economias da região serem grandes produtores de commodities fez com que o quadro de desaceleração se agravasse, pois a queda dos seus preços internacionais desde 2014 e as preocupações com o crescimento chinês elevaram os temores dos mercados financeiros sobre as perspectivas da região.

As moedas nacionais na região sofrem pressões por desvalorizações cambiais e as políticas monetárias enfrentam um delicado dilema. Devem as autoridades monetárias da região elevar as taxas básicas de juros domésticas para combater as pressões inflacionárias derivadas dos repasses das desvalorizações cambiais das moedas nacionais quando as economias estão desacelerando?

A inflação deverá crescer no curto prazo na região inclusive por conta do encarecimento das importações. Certas taxas de inflação estão elevadas: em julho atingiu 9,6% acumulados para o Brasil (centro da meta de 4,5%), 4,6% no Chile (para 2-4% de alcance da meta) e 4,5% na Colômbia (para 2-4% de alcance da meta). O México, por sua vez, é a única grande economia da região com inflação subjugada (2,7%), porém a depreciação cambial do peso recentemente deverá reverter essa situação nos próximos meses.

Durante a década anterior, as taxas de crescimento econômico na América Latina ajudaram a retirar milhões de pessoas da pobreza. No entanto, a partir de 2011 o crescimento foi reduzido na região e 2015 marcará o quinto ano consecutivo de desaceleração na América Latina, que desacelerou mais do que as outras regiões emergentes.

A qualidade da inserção econômica externa da região precisa ser debatida, assim como outras relevantes questões domésticas no Brasil também demandam debates públicos. O câmbio já mostrou ser capaz de afetar a taxa de poupança em nosso país. O seu uso para combater a inflação desde 1994, a atração de poupança externa para financiar consumo e o ciclo recente do boom das commodities acentuaram a sobrevalorização cambial do real e afetaram a taxa de poupança doméstica pelo canal da formação bruta de capital fixo (FBCF). Esse fato está bem visível agora entre nós, quando a queda do investimento é acompanhada pela redução da poupança.

A elevação da taxa básica de juros no Brasil não está objetivando atuar diretamente sobre a tomada de crédito em um contexto de recessão, mas busca segurar o câmbio, algo comum desde 1994. O problema é que tal fato eleva o déficit fiscal nominal e gera um ciclo vicioso de necessidade de cortes nos gastos públicos em um momento de queda da economia, algo que ajuda a contrair ainda mais a demanda agregada.

 

GRAFICOO

 

A sobrevalorização cambial crônica do real e a desindustrialização prematura integram esse processo regressivo de inserção internacional, cujo resultado prático é a queda da participação da indústria de transformação para 10,9% do PIB em 2014, comparável ao peso da mesma em 1947. Uma previsão da Confederação Nacional da Indústria (CNI) aponta que o setor mais nobre da indústria, o de manufaturas, fechará 2015 com participação de apenas 9% do PIB.

Talvez ainda não esteja bem claro que o nosso processo de desindustrialização prematura está associado à redução do PIB potencial brasileiro e que esse mesmo processo regressivo já coloca em risco os avanços sociais da última década, além de reforçar o hiato entre ricos e pobres em nosso país. Esse debate não é exclusivo do Brasil. No entanto, ainda não nos tornamos um país desenvolvido e a desindustrialização chegou de forma prematura entre nós.

Rodrigo Medeiros
Professor do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *