Presente e futuro nas terras capixabas

“O futuro não é um lugar para onde estamos indo, mas um lugar que estamos construindo.” A sábia observação de Saint-Exupéry mostra que o amanhã é, em grande medida, aquilo que podemos sonhar, projetar e realizar no presente. Nesse sentido, o objetivo do nosso governo é fazer avançar a caminhada dedicada a cuidar do hoje e do amanhã nas terras capixabas.

Essa missão estratégica vem se desenvolvendo em três frentes de trabalho. Além do ajuste fiscal socialmente orientado, integrante de uma ampla reforma na estrutura governamental, temos programas especialmente dedicados à juventude e ainda ações para a modernização da infraestrutura socioeconômica e o incremento da sustentabilidade ambiental. 

Com a reconquista/manutenção do equilíbrio fiscal e as reformas estruturantes, garantimos a regularidade de serviços, os pagamentos em dia e a entrega de obras essenciais. Mais: posicionamos o Espírito Santo para as oportunidades do pós-crise. Ressaltamos que, diferentemente do restante do país, o ajuste capixaba se dá por meio do controle das despesas, sem sacrifício das prioridades, garantindo um governo atuante e focado no social. 

A frente de trabalho mais claramente identificada à juventude tem ações como o Pacto pela Aprendizagem no Espírito Santo, unindo Estado, municípios, organizações e entidades da sociedade civil, com vistas a obter avanços mais expressivos nos indicadores da educação básica.

A Escola Viva já está ofertando 10 mil vagas de ensino médio, em 17 unidades de tempo integral, distribuídas em todas as regiões do Estado. Em 2018, serão 18 mil vagas, em 30 unidades. Trata-se de um modelo inovador que busca formar cidadãos e empreendedores capixabas capazes de projetar e viabilizar um mundo melhor para si e para sua comunidade.

Tendo como foco os jovens e trabalhando com sua capacidade de mobilização e diálogo, o Ocupação Social, além de enfrentar e prevenir a violência, trabalha para levar cidadania, respeito aos direitos humanos, cultura, esporte e oportunidades às áreas mais vulneráveis no Estado. Novas perspectivas já se concretizam nos 25 bairros atendidos, onde estão 16 mil adolescentes e jovens, entre 10 e 24 anos, em situação de risco pessoal e social.

Nossa terceira frente de ação prioritária é a da atualização da infraestrutura econômica e das políticas de sustentabilidade, fatores decisivos à qualidade de vida e à competitividade econômica estadual. Em quatro anos, vamos deixar como legado a superação de pendências históricas e o encaminhamento efetivo de outras tantas obras, além da construção de novas soluções que nos darão fôlego inédito para imprimirmos um outro ritmo ao nosso desenvolvimento socioeconômico em curto, médio e longo prazos.

Avançamos em ação compartilhada com a bancada federal e entidades do mundo produtivo. Na interface com a União, temos anunciada a inauguração do novo Aeroporto de Vitória. Trata-se de conquista simbólica desta nova era da infraestrutura capixaba, seja por sua importância, seja pelo seu histórico de adiamentos, finalmente superado.

As boas novas não param aí. A dragagem e a derrocagem do Porto de Vitória estão em vias de conclusão. Com a mudança da poligonal de Barra do Riacho, viabilizaram-se ali novos empreendimentos portuários. O projeto do Porto Central avança. A Agência Nacional de Energia Elétrica realizou leilão para construção de 560 km de linhas de transmissão e quatro subestações, com investimentos de R$ 1,6 bilhão, aumentando nossa segurança energética. A BR 101 está em obras, resolvendo-se problemas crônicos. A primeira fase de duplicação da BR 262 deve começar este ano. Com a União e a Vale, buscamos a construção de um novo ramal ferroviário entre a Grande Vitória e o Rio.

Nas obras de responsabilidade estadual, temos também conquistas históricas. Trabalhamos para entregar em breve a Rodovia Leste-Oeste, o mais novo eixo da malha metropolitana, entre Cariacica a Vila Velha. Uma outra realização que marca época é a inauguração do Sistema de Abastecimento de Água de Reis Magos, na Serra, beneficiando diretamente 150 mil pessoas e, indiretamente, 700 mil. Trata-se, ao longo do tempo, do quarto empreendimento de porte para garantir água à região metropolitana, depois dos sistemas de Duas Bocas, Jucu e Santa Maria da Vitória.  

Ainda nessa área, temos o projeto de um grande reservatório no Rio Jucu e as obras de 60 barragens de uso múltiplo. Por meio dos programas Reflorestar e Águas e Paisagens, investimos num novo ciclo de sustentabilidade. No saneamento, a parceria público-privada (PPP) da Serra evolui muito positivamente. Licitamos a PPP de Vila Velha, e os estudos para a de Cariacica estão adiantados, assim como trabalhamos para o aumento de capital da Cesan. 

Por tudo isso e muito mais, olhando-se para o crítico cenário nacional, percebe-se facilmente o diferencial capixaba. A crise afeta a todos, mas no Espírito Santo é diferente. Nossas prioridades do presente combinam ações que garantem uma travessia de equilíbrio em meio à turbulência político-econômica e preparam o Espírito Santo para as oportunidades do futuro.

Paulo Hartung
Governador do Estado do Espírito Santo (2003-2010, 2015-2018)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *