Como preparar os cachorros para a chegada de um bebê em casa?

Como preparar os cachorros para a chegada de um bebê em casa

Se já houve um tempo em que se dizia que casas com animais não combinam com bebês, ele ficou para trás: há vários estudos recentes que comprovam que a convivência entre os pequenos e os pets pode ser benéfica (veja um deles aqui). No entanto, é fato que a chegada de um bebê em casa altera toda a rotina, e isso afeta também a vida dos bichinhos, que passarão a contar com um cotidiano de novidades, atenção dividida e uma companhia diferente. Para que a transição ocorra de forma saudável sem gerar traumas de nenhuma parte, há algumas dicas e truques que facilitam os dias de adaptação. Quer saber como acontece na prática?

Quando Suellen e Fabiano receberam, em 2016, a notícia da espera de uma desejada menininha, a casa já estava cheia: as poodles Dolly, de 12 anos, e sua filha Wooly, de 10, acompanham o casal desde que nasceram, sempre tratadas como filhas. Era a hora de abrir o coração e o espaço para a chegada de mais uma integrante da família, de modo que Dolly e Wooly pudessem curtir esse novo momento. Como conta a publicitária Suellen Berger, a grande preocupação do casal era que nenhuma mudança fosse feita de forma drástica, prejudicando-as. “Estudamos e lemos muito sobre como fazer a preparação para esse momento. Seguimos várias dicas e fizemos a chegada de Luiza com tranquilidade. Deu e continua dando super certo”, garante.

Como preparar os cachorros para a chegada de um bebê em casa
Para facilitar, os preparativos começam já na gravidez

Ela conta também que as mudanças começaram desde o início da gravidez, e que rapidamente viram que não dá para generalizar – cada cachorro reage de uma forma. Enquanto Dolly adotou desde o início uma postura protetora e eufórica, Wooly ficou mais carente e até um pouco deprimida, no início. Portanto, é preciso acompanhar de perto para saber como reagir. Sobre a adaptação, veja algumas dicas seguidas pelo casal.

– Quarto do bebê: “remarcando” o espaço

É importante aproveitar o período da gravidez para colocar alguns limites sobre a circulação e permanência no quarto do bebê, uma área que exige alguns cuidados de higiene, e também no dos pais. “Fomos conversando com elas sobre a chegada do bebê e começamos a ensinar que só poderiam entrar no quarto acompanhadas, o que mudou a rotina delas, já que o cômodo era usado como o banheirinho. Também retiramos as caminhas do nosso quarto para que elas acostumassem a dormir do lado de fora”, conta Suellen.

– Os primeiros contatos

Introduzir o bebê na casa de supetão pode ser estressante para os pets, já acostumados aos cheiros e pessoas do ambiente. Por isso, quando Luiza nasceu, o pai se preocupou em levar uma roupinha usada por ela para que Dolly e Wooly pudessem cheirar e se habituar. Suellen garante que a atitude “facilitou bastante o primeiro contato delas, já que as duas já estavam habituadas com o cheirinho da Luiza”.

– A chegada

Com os pets já “reconhecendo” de alguma forma o novo bebê, o momento da chegada foi tranquilo, com os devidos cuidados em relação aos contatos, que de início devem ser bem monitorados. “Elas cheiraram muito, ficaram eufóricas mas não demonstraram irritação e nem latiram, o que é pouco comum quando chega alguém em casa”, relembra Suellen.

– Construindo a nova rotina, dia após dia

Com todos em casa, é hora da adaptação. E ela pode acontecer de formas diferentes! Há casos em que o pet desenvolve um forte senso de proteção com relação aos bebês, o que é notável com as visitas, comuns nesse período. Outra possibilidade é que o cachorro comece a notar a divisão da atenção dos pais e, com isso, passe a demonstrar uma certa carência. Com a Suellen, aconteceu dos dois jeitos: “Enquanto a Dolly investigava todas as visitas e queria ‘proteger’ Luiza, Wooly tentou retomar o lugar de caçula e sentiu um pouco, ficando triste, às vezes”, explica.

Em todos os casos, só mesmo o passar dos dias para voltar tudo à normalidade. É preciso muita paciência e carinho para acostumar a todos com a nova realidade, ensinando os limites sem tornar a experiência traumática, como concluíram juntos. “Construir uma família dá trabalho. A gente não se livra de um membro da família pela chegada de outro. Decidimos ser pais de Dolly e Wooly há mais de uma década, assim como de Luiza recentemente. Minha casa é um lar povoado por três princesas felizes e saudáveis. Temos certeza de que irão se divertir muito juntas!”

Mudanças no comportamento são notáveis no início, mas em geral, a nova rotina será adotada com naturalidade pelos bichinhos – caso isso não aconteça, não hesite em procurar a ajuda de um adestrador. Ver um bebê crescendo com pets por perto é uma delícia e faz bem para todos!

Como preparar os cachorros para a chegada de um bebê em casa
Família completa: Suellen, Fabiano, Luiza, Dolly e Wooly

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *