Como garantir a saúde mental dos pets?

Hoje, além de estar com nosso corpo saudável, muito se fala em manter nossa saúde mental em dia. Agora, você sabia que seu pet também pode sofrer com algum problema psicológico? Depressão, ansiedade e até agressividade podem ser resultados de uma inconstância psicológica.

As causas que levam os cães e gatos a entrarem em depressão são variadas. Entre os sintomas em cachorros, por exemplo, podem se manifestar de diversas formas, desde a perda do apetite, falta de disposição, atividade antissocial (evitar o contato físico) e choros excessivos.

Em casos mais graves, o animal pode se tornar agressivo, se automutilar (morder patas e rabo até machucar) e também praticar coprofagia – o ato de ingerir as próprias fezes.

Se o pet está acostumado a estar livre, correr, ou passear em varandas e quintais, a perda da liberdade pode ser uma das causas, caso ele passe a ficar preso. Isso pode acontecer também por conta de alguma mudança de casa ou apartamento por parte dos donos, causando a não adaptação do animal. Grandes mudanças de rotina também podem impactar diretamente no comportamento do pet.

A morte ou perda de pessoas próximas são capazes de desencadear um transtorno psicológico. Como nós, os gatos e cachorros também sentem a falta de pessoas queridas e sofrem com sua ausência prolongada.

Caso o animal esteja doente, passando por algum tratamento longo, ou constantemente tem sua saúde abalada, é possível que seu comportamento possa ser alterado por conta disso.

Ao perceber sintomas que possam indicar a depressão, é necessário procurar um veterinário o mais rápido possível. Apenas o profissional poderá afirmar que se o bichinho sofre ou não de depressão, iniciando assim o tratamento. A medicação pode variar desde antidepressivos e homeopáticos, até mudanças de hábitos, alimentação e exercícios físicos.

Carinho e atenção são essenciais para amenizar as consequências da doença. Lembrando sempre que depressão é uma doença séria, que altera as funções químicas de nosso cérebro e precisa ser devidamente tratada. Lembrando que é comum confundir a depressão anima com o SAS (Síndrome de Ansiedade da Separação), que já comentamos aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *