• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Obama afirma buscar maior cooperação com a Índia, durante visita ao país

Geral

Obama afirma buscar maior cooperação com a Índia, durante visita ao país

Nova Délhi - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, iniciou sua visita à Índia na manhã de hoje, com o objetivo de demonstrar que sua administração está empenhada em estreitar as relações com o país asiático. A visita deve durar três dias. Apesar de ser simbolicamente importante, o encontro deve atingir apenas resultados modestos. Após uma reunião, Obama e o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, se comprometeram a aumentar a cooperação dos países nas áreas de comércio, defesa, segurança, combate ao terrorismo e energias renováveis depois de se reunir durante a visita de Obama à Índia domingo.

Segundo autoridades dos Estados Unidos, a visita é uma tentativa do governo de aprofundar a aliança com a Índia para futuros acordos. Na segunda-feira, Obama deve se sentar juntos a líderes indianos em um desfile militar, tornando-se o primeiro presidente norte-americano a participar das celebrações do Dia da República.

Na manhã deste domingo, o primeiro-ministro, Narendra Modi, recepcionou Obama após a chegada do presidente americano. Então, Obama foi até o Palácio Presidencial, onde se encontrou com o presidente da Índia, Pranab Mukherjee. Obama também visitou o memorial de Mahatma Gandhi. Após essas cerimônias, o presidente dos Estados Unidos participou de uma reunião com o primeiro-ministro Modi.

No sábado, representantes da Casa Branca anunciaram que Obama irá interromper sua visita à Índia mais cedo do que o previsto. Ele seguirá para a Arábia Saudita, onde nesta semana faleceu o rei Abdullah.

A visita ocorre somente quatro meses depois do encontro de Obama com o primeiro-ministro Narendra Modi, em Washington. Além disso, a viagem acontece em um momento de aumento das tensões entre Índia e Paquistão. Obama deve discutir com Modi como os dois países com armas nucleares podem retomar o diálogo e reduzir as hostilidades. Fonte: Dow Jones Newswires.