Laudo divulgado pela Samarco atesta que lama de minério não chegou a Abrolhos

Geral

Laudo divulgado pela Samarco atesta que lama de minério não chegou a Abrolhos

Segundo a Samarco, os testes da água coletada em Abrolhos indicaram ausência de óxido de ferro, um dos elementos que remeteriam à lama do Rio Doce

Rompimento de barragem da Samarco aconteceu em novembro de 2015 Foto: Agência Brasil

Um relatório, divulgado pela mineradora Samarco, nesta quarta-feira (27), afirma que a lama proveniente da foz do Rio Doce não atingiu as águas do Arquipélago de Abrolhos, no sul da Bahia, conforme atestam amostras de água coletadas e analisadas pelo laboratório (ALS Corplab, com sede em São Paulo). Contratado pela própria Samarco, o laboratório emitiu resultados, em 20 de janeiro, que indicam que não houve alteração do mar na região que estivesse relacionada ao rompimento da barragem de Fundão.

Segundo a Samarco, os testes da água coletada em Abrolhos indicaram ausência de óxido de ferro, um dos elementos que remeteriam à lama do Rio Doce. Além disso, a qualidade da água coletada em diferentes dias mostrou que os parâmetros estão dentro dos limites do Conama 357 nível 1 (água salina), não havendo anormalidades.

A Samarco afirma que além da comprovação trazida pelos laudos, os acompanhamentos diários feitos pela própria empresa nos dois Estados indicam que a turbidez das praias no norte do Espírito Santo e sul da Bahia está dentro da normalidade, o que torna improvável uma presença da lama de minério na região de Abrolhos.

Órgãos contestam laudo que aponta que água do Rio Doce está imprópria para consumo

A empresa destaca que existem outros fatores de influência de movimentação de sedimentos na região costeira do Espírito Santo e sul da Bahia que podem explicar o aparecimento de sedimentos em Abrolhos no último dia 7. Houve ainda o registro de fenômenos climáticos que ocasionaram a formação de ondas no litoral entre 1,5 m e 2,5 m que provocaram nova suspensão natural de outros sedimentos.

A Samarco diz que realiza o monitoramento constante da qualidade da água em dezenas de pontos ao longo do Rio Doce e na sua foz, além de uma grande extensão no litoral, disponibilizando-os  periodicamente às autoridades.