• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

China volta a rejeitar sugestão de Trump de negociar com Taiwan

Geral

China volta a rejeitar sugestão de Trump de negociar com Taiwan

Pequim - O Ministério de Relações Exteriores da China rejeitou novamente neste domingo a sugestão do presidente eleito dos EUA, Donald Trump, de que ele poderia usar a política de Taiwan como um ponto de barganha entre os dois lados.

O porta-voz do ministério, Lu Kang, disse hoje que o princípio de "uma China única é inegociável". Desde que reconheceu Pequim em 1979, Washington mantinham apenas laços não oficiais com Taiwan, a ilha autogovernada que Pequim considera seu território um status quo que repetidamente ameaçou se agravar desde que Trump venceu as eleições de novembro.

"O governo da República Popular da China é o único país legítimo que representa a China", disse Lu em um comunicado. Esse é um fato reconhecido pela comunidade internacional e ninguém pode mudar".

Trump disse ao The Wall Street Journal em uma entrevista publicada na sexta-feira que "tudo está em negociação, incluindo a política de uma China única".

A entrevista é a mais recente indicação de Trump que ele vai agitar as relações entre os EUA e a China, particularmente em Taiwan, que a China considera interesse nacional.

A China tem demonstrado irritação com o tema desde o dia 2 e dezembro, quando Trump telefonou para a presidente do país, Tsai Ing-wen, na primeira vez que um presidente ou presidente-eleito falou publicamente com o presidente da ilha em 40 anos. Pequim considera qualquer referência separada a um chefe de Estado taiwanês um grave insulto.

Trump então disse em entrevista à televisão que não se sentia "preso por uma política de uma só China, a menos que façamos um acordo com as coisas da China, incluindo o comércio".

Até agora, Pequim reiterou a sua recusa em negociar em Taiwan e empurrar uma cooperação positiva entre as duas partes, embora os meios de comunicação divulguem vários editoriais fortemente redigidos atacando Trump.

Por outro lado, analistas políticos chineses disseram que esperam que a resposta de Pequim

Mude uma vez Trump tome posse na próxima sexta-feira.

"Trump ainda não tomou posse, então ele é uma pessoa comum agora", disse Shen Dingli, professor de relações internacionais na Universidade de Fudan. "Portanto, não há necessidade de a China levar suas observações a sério ou responder ao que ele disse", acrescentou.

Já Tang Yonghong, professor da Universidade de Xiamen, disse que a China precisa convencer Trump de que "se ele quer ganhar dinheiro com o continente chinês, ele deve ser amigo da China em vez de ser um inimigo". Fonte: Associated Press