• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Quatro casos de infecção após comer baiacu foram registrados no ES em 2017

  • COMPARTILHE
Geral

Quatro casos de infecção após comer baiacu foram registrados no ES em 2017

Em uma confraternização, três homens tiveram intoxicação após ingerirem o peixe em um bar de Vitória

O gastroenterologista Felipe Ferreira esteve no Fala Manhã, na TV Vitória

Apenas em 2017, de acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (Sesa), quatro pessoas tiveram infecção por comerem baiacu no Espírito Santo. No ano anterior, em 2016, foi registrado apenas um caso, e em 2015 foram três casos registrados no Estado.

Durante as festas de final de ano, uma confraternização terminou com três homens passando mal. Dois deles foram parar no hospital após ingerirem o peixe em um bar de Vitória. Eles foram levados para o hospital Dório Silva, na Serra.

Uma das vítimas foi parar na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mas já está no quarto em observação. “Esse veneno é como se fosse um ataque progressivo. Ele começa com pequenos sinais de formigamento, dificuldade de mexer dedos e isso vai se concentrando em músculos da respiração, da perna. A pessoa não vai ter musculatura para fazer a respiração, fazer uma tosse, manter a cabeça erguida. Normalmente são 24 horas, depois desse tempo o corpo consegue metabolizar o veneno e assim resolver todos os problemas”, explicou o gastroenterologista Felipe Ferreira.

De acordo com o médico, o veneno não é produzido pelo peixe, e sim pelos microrganismos e algas que vivem nele. “O nome desse veneno é Tetrodotoxina. Ele causa uma intoxicação nos nervos que levam a parar a funcionalidade desses nervos. Isso pode causar formigamento, parada respiratória, o coração pode parar de bater”.

Limpeza do baiacu

O gastroenterologista disse que para retirar esse veneno por completo é necessário fazer uma limpeza no animal e retirar todas as vísceras. “Esse veneno não é possível ser lavado, quando cozinha ele não desaparece, e nem quando o peixe é resfriado. O veneno está junto com as vísceras do peixe. O importante é a limpeza das vísceras. Como não há um antídoto para esse veneno, que é um dos mais potentes hoje na natureza, o que tem que se fazer é limpar bem o peixe. Quem já teve o prazer de comer a moqueca, é excelente, mas é um risco”, afirmou.

Ferreira também explicou que o primeiro sintoma após a ingestão de um baiacu que não foi limpo corretamente é o formigamento nos lábios. Ele destaca que, assim que a pessoa detectar os sintomas deve procurar imediatamente um pronto-socorro. “Se você comeu um baiacu, achou que estava bem limpo, mas começou a sentir um formigamento na boca, entre duas e três horas depois que ingeriu o alimento, se tiver algum sintoma de formigamento nas mãos, qualquer alteração neurológica, procure um pronto atendimento. A gente sabe que o veneno pode ter se difundido, existe uma certa concentração na carne, no músculo do peixe, então é importante que a população saiba. É importante saber o primeiro sinal para que possa procurar ajuda e se precisar, deve ir direto ao pronto-socorro”, destacou o médico.