• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Governo do Ceará desmente toque de recolher

Geral

Governo do Ceará desmente toque de recolher

Uma nota falso circulou nas redes sociais, dizendo que as Forças Armadas entrariam em confronto armado com as facções criminosas do Estado

Foto: Divulgação

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS) esclareceu, nesta sábado, 5, que é falso o boato de toque de recolher que está circulando nas redes sociais deste a madrugada.

A nota dizia que a população não deveria sair de suas residências, pois as Forças Armadas entrariam em confronto armado com as facções criminosas do Estado. A SSPDS reforçou no twitter que a notícia é falsa e que informações oficiais apenas são divulgadas no site da pasta e perfis oficiais das redes sociais.

Agentes da Força Nacional começam a atuar no Ceará, após a ocorrência de 73 ataques criminosos registrados desde a noite de quarta-feira, 2. O pedido do governador do Estado, Camilo Santana (PT), foi atendido pelo ministro Sérgio Moro, da pasta de Justiça e Segurança Pública, depois de inicialmente negado.

Moro autorizou na sexta-feira, o envio de 300 agentes da Força Nacional ao Estado. No dia anterior, ele havia negado o deslocamento imediato dos agentes. Além da tropa, que vai ficar 30 dias no Ceará, serão enviadas 30 viaturas. No mesmo dia, o governo estadual empossou 373 novos policiais militares, que vão reforçar o patrulhamento nas ruas e 34 policiais rodoviários federais, nas BRs. Outro reforço veio do governo baiano, que mandou 100 PMs.

A partir deste sábado, para garantir a circulação, os ônibus devem ser escoltados por policiais militares dentro dos veículos. Os PMs acompanham 33 linhas em Fortaleza e quatro na região metropolitana, segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará.

Até este sábado, 50 pessoas foram detidas por envolvimento em crimes em Fortaleza, região metropolitana e interior. As investigações são coordenadas pela Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) e as diligências seguem em andamento com equipes de policiais civis e militares.