• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Morre em SP criador de modelo de prisão em que detentos têm chave da cela

Geral

Morre em SP criador de modelo de prisão em que detentos têm chave da cela

O advogado Mário Ottoboni, criador de um sistema prisional humanizado e sem polícia, morreu nesta segunda-feira, 14, aos 88 anos, em São José dos Campos, interior de São Paulo. Segundo a família, ele estava hospitalizado e não resistiu a uma pneumonia. Ottoboni foi o idealizador do método Apac (Associação de Proteção e Assistência ao Condenado), em que os próprios detentos assumem a gerência das unidades e têm as chaves das celas.

Conforme o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG), o custo do preso neste modelo é 50% menor do que nas prisões comuns e não são admitidos integrantes de facções criminosas. O índice de fugas é próximo de zero e estudos realizados pelo TJ de Minas, Estado com maior número de unidades, mostram grande queda de reincidência entre os egressos.

Na Apac, não há agentes armados e os próprios detentos dividem as tarefas, incluindo a produção de alimentos e o preparo das refeições. Pelo sistema passaram figuras conhecidas, como o publicitário Marcos Valério, operador do mensalão do PT, e o goleiro Bruno Fernandes, condenado pela morte da ex-namorada Eliza Samúdio.

O método foi exportado para países como Alemanha, Argentina, Estados Unidos, Inglaterra, País de Gales, Nova Zelândia e Noruega. No Brasil, funcionam em cerca de 80 unidades em quatro Estados. O modelo foi reconhecido pelo Prison Fellowship International, que atua como órgão consultivo da Organização das Nações Unidas (ONU) para assuntos penitenciários, como alternativa para humanizar a execução da pena.

Nascido na colônia italiana de Barra Bonita (SP) em 1931, Ottoboni mudou-se para São José dos Campos com a família aos 14 anos. Após concluir os estudos, além da advocacia, dedicou-se ao teatro e escreveu mais de 30 livros.

Em 1972, fundou a primeira unidade da Apac na cidade. Ele também foi presidente do Esporte Clube São José. Há três anos, perdeu a esposa, Cidinha, com quem viveu durante 55 anos. O sepultamento do advogado ocorreu nesta terça-feira, 15, no Cemitério Padre Rodolfo Komorek, no centro da cidade.