• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

500 ton de lixo devem ser recolhidas das praias de Vitória no verão

MEIO AMBIENTE

Geral

500 ton de lixo devem ser recolhidas das praias de Vitória no verão

Na temporada passada, foram em média 350 ton; casca de coco, latinhas, vidro e plástico são os resíduos mais encontrados por equipes de limpeza

Andressa Missio

Redação Folha Vitória

Com ou sem sol, quem passa uma curta temporada no litoral quer aproveitar cada minuto perto do mar. Juntando turistas e banhistas capixabas - que também curtem as férias no quintal de casa - o resultado são praias lotadas durante a estação. Cheias de gente, e de lixo. 

O ambiente democrático e de lazer gratuito não pode ser confundido com um espaço livre de regras de convivência em sociedade - como vem sendo. Largar na areia o lixo de tudo o que se consome à beira do mar é um exemplo do que não se deve fazer, mas se faz. 

Foto: divulgação PMV
Nas primeiras horas do dia, o "Tatuí" passa pela praia de Camburi fazendo a limpeza

O desrespeito começa na virada do ano, quando o belo show de fogos termina num cenário desolador. Só na praia de Camburi, foram recolhidas 39,91 toneladas de resíduos, segundo a Central de Serviços. Quase dez vezes mais que o montante diário retirado de todas as praias da capital. Um mutirão envolvendo 250 garis e tatuís (varredeiras mecanizadas) foi necessário, para dar conta de tanta sujeira. "Todos os anos a gente começa o trabalho com a esperança de que a quantidade de lixo jogado na areia irá diminuir, já que as campanhas ambientais têm feito grandes esforços nesse sentido, e imaginamos que a consciência virá. Mas a realidade é outra. É frustrante", desabafa o subsecretário da Central de Serviços, Weverton Moraes. Se na alta temporada de 2019 foram 350 toneladas, a expectativa é de que em 2020 sejam 500 toneladas, só nas praias de Vitória.

Entre os principais resíduos recolhidos, estão garrafas pet, latinhas, vidro, restos de coco e espetinho de churrasco. "Este último é o mais difícil de separar da areia, porque a máquina tatuí não consegue retirar. Os garis precisam recolher manualmente,  o que se torna bastante demorado", explica o subsecretário. O material segue todo para um aterro sanitário em Cariacica. 

Educação 

A falta de bom senso segue pelo ano inteiro. É o que conta o empresário e instrutor de windsurf Romulo Finamore que precisa recolher diariamente algumas sacolas de lixo antes de montar sua estrutura de atendimento na praia, próxima ao Iate Clube. "O problema se resume a uma palavra: educação (ou a falta dela). Nessa época aumentam os resíduos porque aumenta o número de pessoas. É proporcional. Todos jogam, todos poluem, em qualquer época do ano. Mas agora é mais visível e mais trabalhoso para as equipes da prefeitura", comenta Romulo. 

De acordo com a Secretaria de Meio Ambiente de Vitória, no final de 2019 foi realizado um trabalho antecipado com todos os comerciantes e ambulantes, com orientações sobre como manter as praias limpas. Também foram feitas oficinas com orientações técnicas de comportamento desse público no litoral. 

Vila Velha 

Atravesse a Terceira Ponte, e encontre o mesmo problema. No Réveillon, foram recolhidas 50 toneladas da Praia da Costa à Ponta da Fruta. Já nos dias de alta temporada, o montante cai para 40 toneladas - o que já é quatro vezes a quantidade recolhida em outras épocas. 

De acordo com a Secretaria Municipal de Posturas, equipes de educação ambiental e fiscais orientam comerciantes, ambulantes da orla e também banhistas sobre a necessidade de destinar o lixo corretamente. Como "incentivo", foram instaladas 15 novas manilhas (lixeiras) nas areias da Praia da Costa, Itapoã e Itaparica para reforçar as já existentes, além da instalação de dois contentores subterrâneos de lixo na praia da Costa com capacidade de 3 mil litros cada um, sendo um para lixo seco e outro comum. Além das lixeiras sustentáveis produzidas de pneus descartados. 

Foto: divulgação PMVV
Nova lixeira instalada em praia de Vila Velha

Esta semana, o programa Fala Manhã da TV Vitória mostrou, durante reportagem ao vivo, imagens de muito lixo no entorno de um dos quiosques de Itaparica, dois dias após o Réveillon. Questionada se a responsabilidade de recolhimento é dos quiosqueiros, a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos de Vila Velha respondeu que "a Prefeitura recolhe, mas orienta os quiosqueiros a manterem o local em volta limpo e que coloquem seu lixo em contentores e na hora da passagem do caminhão". 

Serra 

Na Serra, foram 70 toneladas de lixo no primeiro dia de 2020. Na alta temporada, há um aumento médio de 50% no volume de lixo recolhido, em relação a outras épocas do ano. A Prefeitura realiza, durante o verão, o projeto Praia Limpa, que promove ações educativas e informativas aos usuários das praias. São enfatizadas temáticas como o lixo, a preservação ambiental e o papel do indivíduo como agente ativo desse processo. 

Nesta temporada, foram instaladas 150 papeleiras e 20 manilhas nas praias. Ao longo do verão, as manilhas totalizarão 55. Os quiosqueiros são responsáveis por instalar lixeiras e a prefeitura faz a coleta do material.