Novo Parlamento de Mianmar toma posse, dominado pelo partido da Nobel Suu Kyi

Geral

Novo Parlamento de Mianmar toma posse, dominado pelo partido da Nobel Suu Kyi

Redação Folha Vitória

NAYPYITAW, Mianmar - O novo Parlamento de Mianmar, liderado pela primeira vez pelo partido da líder pró-democracia Aung San Suu Kyi, tomou posse nesta segunda-feira, com a missão de instalar o primeiro governo democraticamente eleito em mais de 50 anos no país. A Liga Nacional pela Democracia, de Suu Kyi, obteve uma vitória folgada nas eleições de 8 de novembro, levando cerca de 80% das cadeiras em disputa nas duas Casas do Legislativo, ao derrotar o Partido União, Solidariedade e Desenvolvimento, apoiado pelos militares.

Muitos legisladores declararam que esta segunda-feira pode ser o início de uma nova era, após décadas de opressão militar, guerra civil e muita pobreza. "Isso é como um sonho para mim", disse Khin Maung Myint, congressista da Liga Nacional pela Democracia. "Eu nunca imaginei que nosso partido fosse capaz de formar o governo", admitiu.

Legisladores dos dois principais partidos, de siglas menores de minorias étnicas e representantes apoiados pelos militares entraram no Parlamento para a sessão na Câmara dos Deputados, onde os nomes das duas Casas juraram os cargos.

Durante anos, a Liga Nacional pela Democracia foi alvo da repressão dos militares. Os generais comandaram Mianmar direta ou indiretamente após tomarem o poder em 1962 e durante anos centenas de líderes partidários ficaram presos, entre eles Suu Kyi, que levou o Nobel da Paz em 1991.

O país do Sudeste Asiático começou a se afastar da ditadura em 2011, quando os militares concordaram em entregar o poder para um governo nominalmente civil liderado pelo presidente Thein Sein, um general que se transformou em reformista. Ele deixará o posto no fim de março ou no início de abril, quando um presidente apontado pela Liga deve assumir.

Suu Kyi não pode chegar à presidência, porque seus filhos e o falecido marido são cidadãos britânicos e nesse caso a Constituição a impede de comandar o país. Ela não anunciou ainda quem seu partido nomeará para a presidência.

Apesar de vencer com folga, a Liga terá de dividir o poder com os militares. A Constituição nacional prevê que 25% das cadeiras das duas Casas sejam sempre reservadas a nomes apontados pelos militares. Fonte: Associated Press.