Sindicato quer acabar com linhas de ônibus durante a madrugada na GV

Geral

Sindicato quer acabar com linhas de ônibus durante a madrugada na GV

O pedido já foi apresentado ao Sindicato Patronal e às empresas e agora está em processo de análise. A medida é um pedido para garantir a segurança, segundo o Sindirodoviários

O Sindicato dos Rodoviários estuda  acabar com as linhas da madrugada Foto: Agência Brasil

Desde o início do protesto de familiares de policiais militares, que impede a saída de tropas dos batalhões, os ônibus do Sistema Transcol estão operando em horário especial, somente até às 23 horas.

Desta forma, as linhas da madrugada, conhecidas popularmente como “bacurau”, que rodam de 1 hora às 5 horas, já não estão circulando. No entanto, essas mesmas linhas correm o risco de serem extintas, segundo proposta apresentado pelo Sindicato dos Rodoviários. A medida seria adotada para garantir a segurança dos motoristas e cobradores.

Nas ruas, a informação causou surpresa e preocupação. “Existem pessoas que trabalham até tarde e precisam voltar para casa. Muitos não têm recurso para pagar outros tipos de transportes”, afirmou uma usuária do sistema Transcol.

Apesar de não agradar a alguns capixabas, o presidente do sindicato, Edson Bastos, garante que a população não ficará a pé. Ele afirmou que as linhas continuarão a cumprir o quadro de horário, onde algumas encerram por volta de 1 hora, e outras iniciam as viagens às 4 horas. Ele disse ainda que essa medida é um pedido do sindicato para garantir a segurança dos funcionários. .

Bastos disse também que são cerca de oito veículos durante a madrugada, e que a média de passageiros nesses horários é muito baixo. Em contrapartida, apesar de não ter números concretos, a quantidade de passageiros que pulam roleta é bastante elevada, o que deixa motoristas e cobradores com medo. 

O pedido já foi apresentado ao Sindicato Patronal e às empresas, e agora está em processo de análise. Em nota a Companhia de Transportes Urbanos da Grande Vitória (Ceturb-GV) informou que não há estudos em andamento para a retirada dos ônibus que circulam durante a noite e a madrugada.