• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Governos de estados vizinhos ao RJ anunciam cooperação para evitar consequências da intervenção

  • COMPARTILHE
Geral

Governos de estados vizinhos ao RJ anunciam cooperação para evitar consequências da intervenção

A decisão foi tomada durante uma reunião nesta quinta-feira, entre o ministro da Justiça e os secretários de Segurança de São Paulo, Espírito Santo e Minas Gerais

André Garcia participou de reunião com secretários de segurança e ministro da Justiça Foto: Assessoria de Comunicação/ SSP

O ministro da Justiça, Torquato Jardim, e os secretários dos três Estados que fazem divisa com o Rio de Janeiro, entre eles o Espírito Santo, anunciaram uma "cooperação política, financeira e operacional" entre os governos federal e estaduais para evitar possíveis consequências da intervenção no Rio nos territórios vizinhos.

A decisão foi tomada durante uma reunião nesta quinta-feira, em São Paulo, entre o ministro e os secretários de Segurança de São Paulo, Mágino Alves Filho, do Espírito Santo, André Garcia, e de Minas Gerais, Sérgio Barboza Menezes. A única medida prática, porém, foi um protocolo de cooperação que permite a Polícia Rodoviária Estadual de São Paulo fazer operações em rodovias federais que ligam o Estado ao Rio de Janeiro.

Segundo o ministro, haverá cooperação política, financeira e operacional entre os estados e a União. “A eficiência será maior se trabalharmos todos juntos”, declarou Jardim.

Em entrevista coletiva, os representantes destacaram que não há temor de fuga de criminosos do Rio para outros Estados e que as ações serão voltadas para evitar a migração de rotas de armas, munições e drogas.

Plano de contingência

Durante a reunião, o secretário André Garcia apresentou o plano de contingência já posto em prática pelas polícias capixaba, no pouco mais de 198 km de divisas entre o Rio de Janeiro e Minas Gerais.

"Saio otimista da reunião porque tenho dito que é a oportunidade para colocarmos a Segurança Pública na pauta nacional. Apresentamos nosso plano e nos colocamos à disposição para trocarmos informações. O mais importante hoje já foi estabelecer um canal de compartilhamento de resultados de inteligência", pontuou o secretário.

Em entrevistas para veículos de imprensa nacional, o secretário ainda lembrou que a ação do Espírito Santo é proativa e preventiva.

"Não há nada que nos alerte para uma movimentação de criminosos, uma migração, mas o que queremos evitar é a migração de modalidades criminosas. Por isso, o patrulhamento em nossas divisas foi reforçado e contará com o emprego de recursos como helicópteros, viaturas e drones", salientou.

Outro ponto importante da reunião foi o oferecimento da expertise capixaba com o Ocupação Social, programa de inclusão social e de oportunidades para que jovens saiam da zona de vulnerabilidade, para futuros programas instalados no Rio de Janeiro.

"O governador Paulo Hartung colocou a estrutura do Espírito Santo, como o Ocupação Social, à disposição do Rio de Janeiro. Porque a intervenção militar vai passar e é preciso ocupar essas regiões dando oportunidades e acesso a direitos fundamentais e inclusão social. Isso o Ocupação Social já tem oferecido em diversas regiões da Grande Vitória", concluiu.

Aumento do controle nas rodovias

Também nesta quinta-feira, o ministro Torquato Jardim declarou que uma das medidas para evitar que os criminosos cariocas fujam para os estados vizinhos é o aumento do controle nas rodovias. Jardim disse que as polícias rodoviárias estadual e federal poderão agir em conjunto em vias estratégicas como a Fernão Dias e Dutra.

Os secretários estaduais ressaltaram que a iniciativa é apenas preventiva, já que repressões ao tráfico de drogas em situações anteriores no Rio não provocaram fuga para esses estados.

No encontro desta quinta-feira, que durou cerca de duas horas, foi estabelecido um protocolo de intenções, com medidas que ainda serão implementadas. Segundo o ministro, haverá cooperação política, financeira e operacional entre os estados e a União. “A eficiência será maior se trabalharmos todos juntos”, declarou Jardim.