• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Grupo de rodoviários faz protesto nesta sexta-feira em Vitória

  • COMPARTILHE
Geral

Grupo de rodoviários faz protesto nesta sexta-feira em Vitória

A manifestação começou no início da manhã e trânsito ficou lento

Um grupo de rodoviários realizou uma manifestação na manhã desta sexta-feira (23), em Vitória, por conta da decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST) de reduzir o reajuste salarial da categoria.

O grupo usou um trio elétrico e ocupou duas faixas no sentido Vitória x Centro. De acordo com informações da Central de Videomonitoramento da capital, o trânsito ficou lento. Aproximadamente 30 pessoas participaram da manifestação.

Entenda

O reajuste salarial dos trabalhadores em transportes rodoviários na região Metropolitana do Estado passou de 3% para 1,80%, após decisão do Tribunal Superior do Trabalho - TST (Brasília) em deferir parcialmente um recurso ajuizado pelas empresas que operam o Transcol.

Segundo a Ceturb, haverá sim uma redução no valor da chamada tarifa técnica (total), que é composta da parcela de R$ 3,40 - paga pelo usuário - mais um subsídio pago pelo Governo do Estado, que atualmente é R$ 0,62 e passará a ser R$ 0,60.

O órgão informou que, de acordo com cálculos realizados por técnicos, que analisaram o impacto da redução do reajuste dos rodoviários sobre a passagem do Transcol, a tarifa técnica será reduzida em R$ 0,02 (dois centavos), passando de R$ 4,01 para R$ 3,99.

De acordo com a Ceturb, o subsídio pago pelo Governo é mantido para garantir uma passagem mais acessível aos usuários do sistema Transcol.

"Considerando que a decisão da Justiça não é definitiva e o baixo impacto na tarifa, essa diferença será reduzida do subsídio pago pelo Governo do Estado aos Consórcios que operam o sistema. O valor do subsídio da tarifa é de R$ 110 milhões por ano", disse a Ceturb.

Redução

A decisão do TST suspende, parcialmente, os efeitos da sentença do dissídio coletivo julgado pelo Tribunal Regional do Trabalho do Estado do Espirito Santo no dia 10 de janeiro - que havia determinado reajuste de 3% para a classe - até o julgamento final do recurso ordinário.

O Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano da Grande Vitória (GVBus) disse que a decisão do TST reduziu o reajuste de 3% para 1,80% para corrigir os salários a partir de 22 de janeiro até a decisão final do recurso ordinário pelo TST.

O reajuste

Dos oito desembargadores que participaram do julgamento no TRT-ES, oito votaram pelo reajuste de 3% e dois por um aumento de 2% nos salários dos rodoviários. O reajuste aprovado foi proposto pelo Ministério Público do Trabalho do Estado (MPT-ES) e teve como base o IPCA apurado no período.

De acordo com Edson Bastos, na ocasião, os rodoviários ficaram satisfeitos com a decisão da Justiça. "É um reajuste bom, porque a gente, até então, tinha 1,83%, que era a inflação. Mas eu acho que aqui nós saímos vitoriosos mesmo foram nas cláusulas da nova reforma trabalhista, que não entrou nada para a categoria. Mantivemos todas as cláusulas da convenção antiga, então a categoria saiu bem beneficiada nisso".

Proposta das empresas

A proposta do sindicato patronal era de reajuste 1,83% nos salários dos rodoviários. Na ocasião, a remuneração para os motoristas era de R$ 2.164,48 e para o cobrador R$ 1.125,58. Somados ao salário, os rodoviários recebem vale alimentação no valor de R$ 684,00 por mês, o maior do país, de acordo com nota divulgada pela GVBus no dia 27 de dezembro.

Além disso, ainda há o plano de saúde familiar de R$ 158,74 (parte paga pela empresa) e o seguro de vida em grupo de R$ 10,50. Na mesma nota, o sindicato patronal destacou que entre 2009 e 2016, o ganho real da categoria totalizou 33,4% - aumento salarial de 93,1% contra uma inflação de 59,7%.