• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Trabalhos para remoção de pedra que interdita BR 259 em Colatina começam nesta quarta-feira

  • COMPARTILHE
Geral

Trabalhos para remoção de pedra que interdita BR 259 em Colatina começam nesta quarta-feira

A empresa responsável pela retirada da rocha fará estudos e avaliações da obra no trecho, já iniciando limpeza e preparo para remoção dos blocos maiores

Breno Ribeiro

Redação Folha Vitória
Ainda não há previsão de liberação da pista para tráfego de veículos

Os trabalhos para remoção da pedras que rolaram na BR 259, em Colatina, no último dia 6 de fevereiro, começam a ser realizados nesta quarta-feira (21). Contudo, ainda não há previsão de liberação da pista para tráfego de veículos.

De acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), a empresa responsável pela retirada da rocha fará, de início, estudos e avaliações da obra no trecho, já iniciando limpeza e preparo para remoção dos blocos maiores.

O órgão informou ainda que a empresa ganhadora da licitação, que tem valor contratual de aproximadamente R$ 5,9 milhões, foi a AMF Construtora Ltda, sediada no bairro Itapoã, no município de Vila Velha.

Quando for iniciada a liberação da pista, que ainda não tem prazo para acontecer, ela será realizada no sistema pare-siga, com meia pista para veículos leves e de urgência. Os veículos pesados só serão liberados após a empresa concluir pela segurança da liberação.

Sobre a sinalização na localidade, o DNIT afirmou que a AMF Construtora intensificará a densidade de sinalização, suplementando o que já foi inicialmente realizado.

Rolamento

De acordo com o DNIT, o rolamento dos blocos de rocha foi provocado pela ação das chuvas em excesso que atingiu a região de Itapina, em Colatina, no início de fevereiro.

O órgão explicou que a água provocou o carreamento das partículas de solo e rochas de menores proporções que davam sustentação aos blocos maiores, o que ocasionou a queda dos blocos e desestabilizou a encosta, deixando a área com riscos de novos desabamentos e riscos eminentes aos usuários da via.