'O ES viveu uma 2ª expansão da pandemia, com exceção da Grande Vitória', diz secretário

Geral

'O ES viveu uma 2ª expansão da pandemia, com exceção da Grande Vitória', diz secretário

A coletiva acontece na tarde desta segunda-feira

Foto: Reprodução

O secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, concede, na tarde desta segunda-feira (01), uma coletiva para atualizar informações sobre o enfrentamento à covid-19 no Espírito Santo. Nésio começou falando sobre um possível momento de recuperação da curva de casos, internações e óbitos. 

"As internações hospitalares em UTIs públicas estão há quatro dias com menos de 500 pacientes internados por dia. Esse conjunto de casos observados, internações e óbitos estão mantendo uma tendência de queda e podem, ao longo do mês de fevereiro, consolidar um momento de recuperação da curva de casos, internações e óbitos. No entanto, nós prevemos dois cenários possíveis para os próximos dois meses. Acertamos as previsões apontadas no inicio do mês de dezembro, que apontavam uma nova fase de aceleração, em que poderíamos ter um crescimento, como foi observado em todo o Espírito Santo. E todas as regiões tiveram o número de internações, casos e óbitos superiores ao da primeira onda", afirmou. 

Segunda expansão

"Concluímos que o Espírito Santo viveu uma segunda expansão da pandemia, com exceção de Cariacica, Vila Velha, Vitória e Serra, que não tiveram uma segunda expansão da doença com a tríade 'casos, internações e ´óbitos' de proporções semelhantes à primeira onda, como ocorreu no interior do nosso estado. Na Grande Vitória, tivemos apenas o número de casos observados e não registramos o mesmo aumento e a mesma pressão assistencial pelas internações hospitalares. Houve um crescimento no número de óbitos, no entanto, não tiveram a proporção dos mesmos que observamos no interior", acrescenta. 

Aumento de casos

"O cenário possível no nosso estado é que o Espírito Santo viva a sazonalidade das doenças respiratórias, desenhando, nos meses de março e abril, um novo momento de crescimento de casos respiratórios, incluindo os casos observados de covid-19. Isso pode representar um risco maior ainda, em especial no G4, que são os quatro municípios da Grande Vitória que não viveram um comportamento grave na segunda expansão da doença na tríade de casos, internações e óbitos."

Dois cenários

"Neste cenário A, caso ocorra a nova sazonalidade das doenças respiratórias no Espírito Santo, algo que é previsto, porque é um padrão de comportamento epidemiológico que se repete todos os anos, o pior cenário seria aquele onde essa curva seja desenhada, tanto no G4, quanto no interior do nosso estado, que poderia provocar uma pressão assistencial robusta e grande sobre a rede de serviços de saúde. Um outro cenário possível seria influenciado pela ampla disseminação da doença em contato recente de parcela importante da população com a doença, tendo alcançado uma imunidade coletiva, suficiente para, junto com a tendência de queda de casos, internações e óbitos que podemos iniciar, ter ao longo dos meses de março de abril, uma consolidação da fase de recuperação."

Cobertura vacinal

"Essa fase de recuperação também poderia ser consolidada com uma não prevista antecipação radical, robusta, ampla, do calendário de vacinação, que pudesse imunizar milhões de brasileiros ao longo dos meses de fevereiro e março, de maneira que a ampla cobertura vacinal pudesse interferir na curva de casos respiratórios previstos para os meses de março, abril e junho. A sazonalidade das doenças respiratórias se acompanham e evoluem até a primeira quinzena de junho. O cenário B também poderia ser influenciado por uma mudança significativa do comando nacional da pandemia no nosso país. Caso também ocorra uma mudança significativa na condução da pandemia, nós também podemos ter uma outra resposta."

Cenário provável

"O Espírito Santo entende que o cenário A é o mais provável. Um cenário em que o Estado precisa estar preparado para uma ampla pressão assistencial, principalmente em decorrência da circulação de novas cepas do vírus, que têm apresentado, segundo avaliações iniciais, uma taxa de transmissão mais alta. Entendemos que o cenário A é um com maior desafio, que exige que, desde já, o Espírito Santo esteja preparado para, em nenhum momento, colapsar."

Novos leitos

"Nós precisamos atualizar as estratégias e estamos caminhando para uma atualização que prevê uma ampliação de leitos para além daquela construída no enfrentamento da primeira e segunda expansão da doença. Nós temos previsto, para esse mês de fevereiro, ampliar 105 leitos novos de UTIs para covid-19, sendo 45 na rede pública e 60 na rede filantrópica privada. O comportamento da doença nos países centrais e em Manaus, e outros estados brasileiros, é um alerta para cenários possíveis em um futuro muito próximo para aqueles territórios que ainda não viveram uma diminuição de crescimento da doença."

Mudança no Painel Covid-19

"Nós estamos avaliando o comportamento de casos e óbitos pelas testagens por município. A partir da tarde de hoje, quem acessar o Painel Covid-19 terá no gráfico dos bairros, tanto o número de casos e óbitos, quanto a letalidade por bairro. Nós pretendemos, desta maneira, ter uma capacidade de diagnóstico da situação de saúde da pandemia do nosso estado. Já a partir de hoje, será possível acompanhar a letalidade por bairro, de maneira que ela poderá orientar uma ação mais precisa."

Expansão do Samu

"Há previsão da expansão do Samu também para a região sul, norte e noroeste no mês de março. A expansão irá permitir que, caso ocorra uma terceira onda da doença, nós teríamos uma capacidade incrementada de responder com a vaga zero o acesso aos pacientes atingidos pela covid-19."

Novo lote da vacinas

"Recebemos a informação do Ministério da Saúde que, nesta semana, devemos receber um novo lote de vacinas produzidas pelo Butantan. Esperamos que, entre quarta e quinta-feira, um novo lote chegue ao Espírito Santo. E o nosso governo já tomou a decisão de iniciar a vacinação nas pessoas com mais de 90 anos com o próximo lote que chegar. Nós entendemos que a vacinação dos idosos cumpre um papel importante na redução da mortalidade e pode ter um efeito esperado positivo a partir dos próximos 60 dias."

Vacinação de idosos

"Os municípios foram avisados de que, a partir desta semana, é possível a chegada das vacinas para iniciar a vacinação de pessoas idosas. Desta maneira, a vacinação dos idosos iniciará na primeira quinzena de fevereiro no Espírito Santo, de maneira que a vacinação em domicílio, com horário agendado, nos pontos de aplicação, serão determinados por cada município, de acordo com sua realidade e a estratégia adotada."

Veja como foi a coletiva!