'Queremos vacinar 100% dos trabalhadores da Saúde até o início de março', diz secretário

Geral

'Queremos vacinar 100% dos trabalhadores da Saúde até o início de março', diz secretário

Em 24 horas, mais 24 mortes em decorrência do novo coronavírus foram registradas no Espírito Santo

Foto: sesa

O secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, concedeu, nesta sexta-feira (12), uma coletiva de imprensa para atualizar informações sobre o enfrentamento à Covid-19 no Espírito Santo. O subsecretário em Vigilância de Saúde, Luiz Carlos Reblin, também participou da fala.

De acordo com o secretário, desde o dia 25 de janeiro houve uma tendência sustentável na queda de internação hospitalar no Espírito Santo. "Chegamos a ter 200 leitos livres para atender a população capixaba e também abrir para que haja atendimento a infectados em outros estados do Brasil. Temos a tendência de que fevereiro tenha uma nova fase de recuperação da doença no Espírito Santo", disse.

Eles reforçaram a importância de manter os cuidados necessários durante os dias de Carnaval. Mesmo não estando proibidas as aglomerações e festas tradicionais, segundo eles, é necessário manter o distanciamento social e o uso de máscaras. "Teremos, obrigatoriamente, um carnaval diferente. Não está autorizado nenhum tipo de aglomeração, tanto em blocos de rua, quanto em estabelecimentos particulares. Viveremos um carnaval em família", disse o secretário.

Fernandes ainda destacou que o governo se prepara para que em março e abril haja uma aumento de casos de doenças respiratórias. No entanto, haverá um aumento de testagem e também a ampliação do atendimento do Samu para diversas cidades do interior.

O secretário também reforçou a importância da testagem para a covid-19 para todas as pessoas de um grupo familiar, nos casos de pessoas que testaram positivo para a doença. 

Sobre os pacientes de outros estados, Nésio Fernandes esclareceu que eles estão isolados e que não ficam juntos com os demais pacientes. "Separamos, no Jayme Santos Neves, todos os pacientes que vieram de Manaus. Os de Rondônia também não ficaram juntos com os demais. Mantivemos a testagem ampla para que evite qualquer risco de contaminação", esclareceu.

Ele afirmou que os efeitos da vacinação já devem ser sentidos a partir do final de fevereiro para os trabalhadores da Saúde. "Todos os trabalhadores que atuam nas UTIs já terão um efeito satisfatório da vacinação. Reafirmo a importância de todos os trabalhadores que atuam no serviço público e privado no estado. A partir de março, acreditamos que já teremos vacinação para todos os trabalhadores da Saúde e passaremos a exigir", disse.

Reblin destacou que já foram iniciadas as aplicações da segunda dose das vacinas dos idosos asilados, indígenas e todos os trabalhadores da Saúde que receberam a primeira dose em abril. "Acreditamos que até o final de fevereiro teremos 100% de doses para os idosos dentro do grupo prioritário e para todos os trabalhadores da área da Saúde. Hoje, nós temos as doses para fazer a segunda aplicação de quem já tomou a primeira dose", reforçou.

"Os estados só poderão comprar doses dos laborat´órios quando o governo rejeitar as doses. Defendo que é responsabilidade da União comprar as doses para toda a população. Estamos preparados para imunizar todos, mas estamos aguardando. Os estados estão sendo informados horas antes do envio das vacinas. Não é possível ter uma programação ampla da forma que as vacinas estão sendo enviadas. O SUS é capaz de acelerar a imunização de toda a população", afirma o secretário de Saúde.

Reblin também destacou que será publicada uma resolução para detalhar os documentos necessários para se vacinar, deixando mais claro, por exemplo, quais são os estudantes da Saúde que podem se vacinar. Profissionais da área que ainda não possuem registro e que não atuem na Saúde ainda não receberão a imunização neste momento.

Segundo o secretário, seis pacientes de Manaus já retornaram para o estado de origem na manhã desta sexta-feira. No entanto, não há previsão para alta hospitalar dos pacientes de Rondônia que, segundo Fernandes, chegaram ao Espírito Santo com uma situação mais crítica, pois a condição clínica é mais complicada.


Acompanhe a coletiva:

Em 24 horas, mais 24 mortes em decorrência do novo coronavírus foram registradas no Espírito Santo. As informações são do Painel Covid-19, da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), atualizadas na tarde desta quinta-feira (11). Isso eleva o total de óbitos causados pela doença a 6.093 no estado.

Também foram registrados 1.534 novos casos entre esta quarta e quinta-feira. No total, o número de infectados subiu para 307.963 no Espírito Santo.