• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Chuva 'abençoa' procissão sobre uso solidário da água em São Paulo

Geral

Chuva 'abençoa' procissão sobre uso solidário da água em São Paulo

São Paulo - Perto das 15 horas deste domingo, 22, dezenas de fiéis se espremiam sob guarda-chuvas, na frente da Igreja da Consolação, no centro, à espera do início da procissão. Com a crise hídrica em São Paulo, o grupo convocado pelo cardeal-arcebispo d. Odilo Scherer endereçaria aos céus orações pela "bênção da chuva". "Vocês têm medo de se molhar?", perguntou um padre, do carro de som, instantes antes de o ato ganhar as ruas. "Não!", respondeu o coro dos católicos. Pouco depois, parou de chover.

O evento reuniu cerca de 1,5 mil fiéis, segundo organizadores, que rezaram, cantaram e distribuíram cerca de 800 litros de água para moradores de rua. À frente do grupo, seguiam réplicas de imagens de São José e Nossa Senhora da Penha, padroeira da cidade, que saiu da Paróquia São Luiz Gonzaga, na Paulista.

"Claro que se fosse um dia bonito, ensolarado, quem sabe viria mais gente", comentou o arcebispo d. Odilo. Os fiéis demoraram uma hora para completar o percurso de quase 2 quilômetros até a Catedral da Sé, onde o ato foi encerrado com uma missa. Houve duas paradas: uma na frente da sede da Prefeitura, no Viaduto do Chá, e outra no Largo de São Francisco.

Do meio para o final do trajeto, voltou a chover, obrigando os católicos a retomarem os guarda-chuvas. "Foi a procissão?", perguntou um repórter ao arcebispo. "Não, foram as nuvens mesmo."

Para d. Odilo, que seguiu o tempo inteiro a pé, o ato teve dimensão educativa. "Para o uso correto, racional e solidário da água", disse. Ele também negou que a procissão seja um posicionamento político da Igreja. "Mas não vamos eximir a responsabilidade de ninguém, nem das autoridades nem dos cidadãos."

Motoclube

Curiosamente, a procissão teve a participação de membros de um motoclube como batedores. Entre eles, estava o padre Natanael Pires, que, de jaqueta preta, acompanhava o ato sobre sua Harley Davidson. "Não há conflito. A filosofia do grupo é ajudar o próximo", diz.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.