• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Circuito turístico reúne muita história, fé e cultura em Viana. Saiba como visitar!

Geral

Circuito turístico reúne muita história, fé e cultura em Viana. Saiba como visitar!

Além da Casa de Cultura e Galeria de Arte que reúnem exposições e importantes obras, as igrejas também são peças fundamentais na construção do município, além de serem monumentos

Além das belezas naturais, o município de Viana também reúne muita cultura e fé. A cidade é repleta de tradições vivas, por isso, além de apreciar as paisagens e espaços de lazer, também vale a pena fazer um circuito turístico para conhecer toda a história do local. 

Além da Casa de Cultura e Galeria de Arte que reúnem exposições e importantes obras, as igrejas também são peças fundamentais na construção do município, além de serem monumentos históricos da região, como é o caso da Igreja Nossa Senhora da Ajuda, em Araçatiba. Além de ainda receber missas, a igreja é cenário para as festas em homenagem a São Bendito.

Veja outros lugares para conhecer no circuito turístico de Viana!

Galeria de Arte Casarão

A galeria foi construída na metade do século XIX e que recebeu a ilustre visita de Dom Pedro II durante sua passagem pelo Estado, já recebeu diversas exposições de arte. Ainda na área do Casarão, existe um espaço anexo que funciona como um centro de vivência e abriga um projeto de residência artística, de extrema importância para o cenário das artes visuais no Espírito Santo.

O espaço foi totalmente restaurado em 2007, readquirindo suas características originais. Os restauradores encontraram por trás do branco e do azul que estavam nas paredes, portas e janelas, o amarelo-ocre e o verde colonial, que voltaram a colorir o casarão.

Em 2014, a galeria foi totalmente reformada com pintura, e colocadas telhas de fibrocimento. O teto foi impermeabilizado e as janelas, portas e o deck de madeira, receberam pintura. Inclusive foi retirado o reboco da parede traseira externa, para mostrar parte da construção original em pedra e contribuir com a ventilação da superfície.

Após a reforma, a exposição “Viajamos para Viver” marcou a reinauguração das novas instalações da Galeria de Artes Casarão. A mostra é um recorte da produção de desenhos do artista Fernando Augusto, realizados durante e a partir de sua viagem à Amazônia em 2012. Outra obra que já passou pela Galeria foi a série “Olhares” do artista plástico Hiago Silva. Entre tantos outros importantes trabalhos já passaram pela Galeria deixando seus traços e contribuindo com o cenário artístico da região.

Casa da Cultura

Criada com o objetivo de preservar a memória do povo vianense, a Casa da Cultura conta com uma exposição permanente sobre a história do município através de painéis, fotografias, textos e mapas por Heribaldo Balestrero, importante historiador de Viana e escritor de obras sobre a história da mesma.

Antes de se tornar a Casa da Cultura, o casarão de arquitetura açoriana que pertence à família Lyrio, já foi outros dois lugares. De 1862 a 1865, foi a Câmara Nossa Senhora da Conceição e em 1894, o Mercado Municipal. Em 2007 a casa foi revitalizada para receber algumas relíquias como a gravura da Carta de Doação de Terras aos imigrantes açorianos e fotos antigas da Igreja Nossa Senhora Da Ajuda, construída em Araçatiba no século XVII. E em 2014 o espaço de aproximadamente 200 metros quadrados foi novamente reformado.

Igreja Nossa Senhora da Ajuda, Araçatiba

A Igreja Nossa Senhora da Ajuda, foi construída no século XVIII por jesuítas espanhóis que se instalaram no local com o objetivo de catequizar os indígenas. Hoje tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), a Igreja é um ponto turístico e carrega grande parte da história do município de Viana. Na época ela fazia parte da Fazenda Araçatiba, toda construída pelos jesuítas com a ajuda dos índios tupiniquins. Ela era composta por uma casa, engenhos, senzalas e oficinas.

O século XVIII foi um período de muita disputa de terras, engenhos e de poderes entre coronéis, e a Fazenda Araçatiba já era considerada a maior fazenda agrícola da região. Por isso em 1760, após a expulsão dos jesuítas, quem tomou posse das terras foi o Coronel de Ordenança Bernardino Falcão de Gouveia Vieira Machado. E alguns anos depois, assumiu seu filho, Coronel Sebastião Vieira Machado, que em 1849 levou para a fazenda cerca de 800 escravos para trabalhar, e reformou a Igreja com características portuguesas. A Igreja ainda recebe missas e é cenário para as festas em homenagem a São Bendito.

Igreja Nossa Senhora de Belém, Jucu

Cenário turístico de Viana, a Igreja Nossa Senhora Belém atrai olhares de quem passa pela BR 262 na altura do bairro Jucu após a limpeza da área. As ruínas que constituem uma importante peça da construção cultural do município, durante os primeiros meses do ano contaram com diversas intervenções em seu entorno. As benfeitorias foram realizadas pelas secretarias de Serviços Urbanos, Obras e Cultura Esporte e Turismo.

Para que o turista pudesse visitar as ruínas e aproveitar o espaço, a estrada de acesso inicialmente recebeu limpeza na área e entorno, e calçamento, além disso, sua colina ganhou postes de iluminação rústicos e na lateral grama.  As intervenções no acesso da igreja, que possui 867,00 m², visam à garantia da preservação e o incentivo à visitação turística no local.

Igreja Nossa Senhora da Conceição, Viana Sede

Considerada cartão postal do município de Viana e um dos monumentos históricos mais importantes do Espírito Santo, a Igreja Nossa Senhora da Conceição – Matriz, em Viana é restaurada. A igreja passou por um trabalho de prospecção para a descoberta das cores originais que lhe confeririam as características de sua construção. Em seu interior as paredes foram pintadas de branco com detalhes em tons azul e as paredes externas continuam bege, com detalhes brancos, e as esquadrias, janelas e portas receberam pintura no mesmo tom de azul usado na parte interna.

Para que as intervenções sofridas ficassem prontas o templo ficou fechado por aproximadamente cinco meses, mas a reforma completa levou dois anos. Essas modificações foram realizadas para que a igreja voltasse a ter suas características originais.