Concursos da Polícia Civil vão reforçar efetivo, mas ainda estão aquém do necessário

Geral

Concursos da Polícia Civil vão reforçar efetivo, mas ainda estão aquém do necessário

Delegado chefe da PC e sindicato dizem que número de vagas ofertadas vai amenizar o déficit da instituição, mas ainda não chegará ao número ideal

Marlon Max

Redação Folha Vitória
Foto: Reprodução/TV Vitória

Com déficit de 20% no quadro geral de delegados da Polícia Civil do Espírito Santo, o edital com 33 vagas divulgado nesta semana, não será suficiente para reparar o quadro de delegados em todo o Estado.

De acordo com o delegado geral da Polícia Civil, José Darcy Arruda, o concurso representa uma melhoria significativa para a PC, mas reconhece que apesar do total de vagas ofertadas no edital, a demanda permanece maior do que o número de delegados em atuação.

Além do déficit de delegados, também há a necessidade de investigadores, que passam pela primeira prova neste domingo (24). Serão chamados novos 173 agentes.

Apesar do déficit não ser reparado por completo, o delegado geral da Polícia Civil garante que todos os aprovados no concurso serão nomeados para as vagas. 

“O concurso segue um cronograma e, se o candidato não tive nenhum problema e cumprir devidamente todas as etapas, eles serão imediatamente nomeados”, explica.

Em assembleia realizada na manhã desta sexta-feira (22) na chefatura da Polícia Civil, em Vitória, o Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado do Espírito Santo (SINDEPES), exige melhoria salarial para a categoria, além da reposição no quadro de delegados.

Segundo o delegado Rodolfo Laterza, presidente do sindicato dos delegados, o concurso divulgado pela Polícia Civil representa apenas uma das pautas da categoria, para ele, o edital deveria ofertar pelo menos 40 vagas para delegado.

“O governo eleito disse que iria valorizar o profissional da segurança pública, e a categoria está cansada da postura austera do estado. A gente precisa que todos os aprovados no concurso sejam convocados de imediato”

De acordo com o Delegado Laterza, a assembleia desta sexta-feira é a primeira de uma série de manifestações que está programado. Um ato para o dia 8 de abril está previsto para acontecer na Assembleia Legislativa do Espírito Santo. 

"Se as nossas mobilizações avançarem, e a gente não tiver respostas para as pautas, vamos ter uma crise de governabilidade muito ruim", completou.