Governo do ES quer ampliar para 600 o número de testes diários para diagnóstico do Coronavírus

CORONAVÍRUS

Geral

Governo do ES quer ampliar para 600 o número de testes diários para diagnóstico do Coronavírus

Segundo o governador Renato Casagrande, a expectativa é que o Espírito Santo tenha, nos próximos meses, cerca de 100 mil testes disponíveis para a população

Rodrigo Araújo

Redação Folha Vitória
Foto: Divulgação/Fiocruz

O Governo do Estado pretende realizar até 600 testes por dia para diagnóstico do Novo Coronavírus até o fim desta semana. De acordo com o governador Renato Casagrande, a expectativa é que o Espírito Santo tenha, nos próximos meses, cerca de 100 mil testes disponíveis para a população capixaba.

Durante uma coletiva de imprensa, realizada nesta segunda-feira (30) via internet, o governador informou que o Estado está comprando, nesta semana, mais 5 mil testes. Outros 50 mil já foram adquiridos pelo governo, mas, segundo Casagrande, só deverão chegar ao Espírito Santo após o dia 15 de abril. Além disso, o Estado recebeu, de uma empresa, cerca de 15 mil testes e pretende comprar outros 30 mil.

De acordo com Casagrande, o objetivo do governo é fazer o maior número de testes possível, para que se tenha um mapeamento da doença dentro do estado. "Nós temos que testar mais e o nosso objetivo é fazer o máximo de testes. Tanto é que o nosso laboratório saiu de 50 testes por dia e ele chega a essa semana podendo fazer 500, 600 testes por dia. Mas ainda não temos esses testes. Estamos comprando esses testes e ganhando outros. O Ministério da Saúde nos envia 800 testes por semana, o que é um número pequeno. Quando a gente produzia pouco, era o suficiente, mas agora que a gente conseguiu adaptar o nosso laboratório com uma condição muito melhor, os testes não são suficientes. Estamos pedindo que o Ministério da Saúde reforce a nossa situação aqui, porque o nosso desejo é testar o máximo", afirmou o governador. 

"Testando o máximo, a gente consegue fazer no Espírito Santo uma radiografia do comportamento do vírus e permitir que a gente planeje mais adequadamente o número de leitos hospitalares que a gente precisa ter. A primeira avaliação nossa é que a gente precisa de 300 leitos de UTI, mais leitos de enfermaria. Mas o tempo vai nos dando dados e esses dados vão orientando o nosso planejamento", completou.

Leia também:

- Espírito Santo registra primeiros casos de transmissão comunitária do Novo Coronavírus

- Coronavírus: primeiros casos de transmissão comunitária no ES foram registrados em Vila Velha

- Transmissão comunitária do Novo Coronavírus coloca o Espírito Santo em alerta vermelho

- Governo do ES estuda adotar medidas mais rígidas para conter o avanço do Novo Coronavírus

- Covid-19: mais 13 casos são confirmados no Espírito Santo; número chega a 85

O secretário estadual de Saúde, Nésio Fernandes, admitiu que o Espírito Santo pode ampliar a oferta de testes até para os casos não considerados graves, justamente para que haja esse mapeamento da doença.

"Para essa etapa de transmissão comunitária, pelo Ministério da Saúde, passaria a ser recomendada inicialmente a testagem de pacientes com síndrome respiratória aguda grave, ou seja, somente pacientes graves. Nós estamos avaliando e vamos publicar até quarta-feira nossa nota técnica no Estado do Espírito Santo, definindo quais são os critérios de prioridade em testagem, tanto da amostra da população, quanto de outros casos específicos que a gente pretende testar. Então nós tendemos a não adotar somente o critério de testar os casos graves no Estado do Espírito Santo, mas assumir para esses casos a prioridade de uma resposta rápida na testagem, em poucas horas, para poder definir a conduta com esses pacientes", frisou o secretário.

"Nós queremos continuar testando todo mundo que está suspeito e queremos testar mais pessoas da comunidade, porque isso nos dará uma amostragem e uma radiografia de como está o comportamento do vírus no Estado do Espírito Santo. E, no futuro, quando a gente tiver essa amostragem, a gente pode definir que uma região ou outra tenha mais restrições se a gente tiver certeza e segurança daquilo que a gente está fazendo", acrescentou Casagrande.