Fome de quê? Alunos de escola de Viana podem escolher o que e quanto vão comer na merenda

Geral

Fome de quê? Alunos de escola de Viana podem escolher o que e quanto vão comer na merenda

As 316 crianças podem dizer a quantidade e os alimentos que desejam colocar no prato na hora da distribuição da merenda, servida em forma de self-service

Crianças escolhem o que irão comer e se servem na hora da merenda Foto: Divulgação/Prefeitura

Ensinar às crianças do jardim de infância e da pré-escola a se alimentar de forma saudável, experimentando novos alimentos e sem desperdício. Essa é a missão do projeto "O sabor da autonomia", desenvolvido na escola municipal Manoel Evêncio de Oliveira, localizada no bairro Nova Bethânia, em Viana.

A iniciativa, desenvolvida há 13 anos pela diretora da instituição, inclui a criança no processo de produção da comida desde o início. Os 316 alunos podem escolher a quantidade e os alimentos que desejam colocar no prato na hora da distribuição da merenda, servida em forma de self-service. 

O cardápio segue as orientações da equipe de nutricionistas do setor de Merenda e Alimentação Escolar (Semae) e inclui feijão, arroz, macarrão, carnes - boi, frango e peixe, verduras, legumes e frutas. Depois, na hora do preparo, a atenção é para a quantidade de sal e gordura a ser usada e, finalmente, a contagem de quantas crianças vão se alimentar naquele dia.

Outra medida foi adotada pela escola para manter a qualidade da saúde dos estudantes. "É proibida a entrada de chips, biscoito recheado, refrigerante, balas, chiclete e tudo que é considerado prejudicial à saúde das crianças. Tudo é explicado aos pais na primeira reunião que fazemos com eles no início do ano letivo e não temos objeção", contou a diretora Maria de Lourdes Coutinho Passos.

Dever de casa

A lição ensinada na hora da refeição na escola é levada para a casa dos estudantes. A auxiliar de creche Vanessa Duarte Grijó, mãe de uma menina matriculada na instituição conta que a filha repete os hábitos aprendidos em todas as refeições. "Isso facilita, pois não temos dificuldade para que ela coma arroz, feijão, verduras, legumes e frutas e toda a família também a acompanha”, afirmou.