Obama tem encontro com presidente da Venezuela

Geral

Obama tem encontro com presidente da Venezuela

Redação Folha Vitória

Cidade do Panamá - O presidente dos Estados Unidos Barack Obama teve uma reunião privativa com o presidente venezuelano Nicolás Maduro no sábado. O encontro ocorre no momento em que os dois países vivem disputas envolvendo recentes sanções impostas pelos Estados Unidos a sete autoridades da Venezuela.

Obama e Maduram se reuniram por apenas alguns minutos, em paralelo a Cúpula das Américas, na Cidade do Panamá, de acordo com o informado por um oficial da Casa Branca que falou sob condição de anonimato.

O encontro ocorre depois que a administração Obama declarou que a crise econômica e política na Venezuela representa uma ameaça à segurança dos Estados Unidos. Foram congelados os bens detidos nos Estados Unidos de sete autoridades venezuelanas acusadas de abuso contra os direitos humanos durante protestos no ano passado.

Maduro e grande parte dos países da América Latina condenaram a ação como uma atitude agressiva. Na visão desses países, a medida norte-americana aumenta tensões na Venezuela num momento de profundas divisões e apelos da oposição para que Maduro renuncie.

"O presidente Obama indicou nosso forte apoio a um diálogo de paz entre as partes na Venezuela", disse Bernadette Meehan, uma porta-voz do Conselho Nacional de Segurança da Casa Branca. "Ele reiterou que nosso interesse não é ameaçar a Venezuela, mas apoiar a democracia, a estabilidade e a prosperidade na região", acrescentou.

Mais tarde, Maduro descreveu o encontro como franco e cordial, dizendo que a conversa breve poderia levar a um diálogo significativo entre as duas nações nos próximos dias. "Eu disse a ele que não somos um inimigo dos Estados Unidos", declarou Maduro. "Falamos a verdade um ao outro", concluiu.

A assessora da presidência venezuelana Teresa Maniglia disse que os dois líderes se cumprimentaram em espanhol, mas não deu outros detalhes. "Houve grande verdade, respeito e cordialidade", acrescentou ela em um comentário no Twitter.

Obama não mencionou o encontro em seus comentários ao final da Cúpula. Durante um discurso, porém, Obama defendeu o direito de seu governo de criticar políticas com as quais não concorda.

"Quando falamos sobre algo como direitos humanos, não é porque pensamos que somos perfeitos, mas porque pensamos que o ideal de não prender uma pessoa por discordar de você é a ideia correta", disse Obama a líderes regionais, sem mencionar a Venezuela. Fonte: Associated Press e Dow Jones Newswires.