Onda de violência contra imigrantes provoca fuga de centenas na África do Sul

Geral

Onda de violência contra imigrantes provoca fuga de centenas na África do Sul

Redação Folha Vitória

Johannesburgo - Preocupados com a segurança, centenas de imigrantes africanos estão deixando a África do Sul em ônibus, após ataques contra donos de lojas estrangeiros. Os ataques deixaram sete mortos e causaram revolta em outros países do continente.

O governo sul-africano luta para conter o efeito negativo dos ataques contra imigrantes em algumas áreas de Durban e Johannesburgo, que mataram sete desde o fim de março. Ativistas em alguns países organizaram protestos e convocaram um boicote de produtos do país, um parceiro comercial forte da região.

O rei zulu Goodwill Zwelithini, uma figura influente entre o grupo étnico zulu no país, condenou os ataques em discurso hoje em Durban. O rei zulu falou após as alegações de que ele teria provocado parte da violência, por comentários dizendo que os estrangeiros deveriam voltar para seus países de origem.

No Malavi, o ministro da Informação, Kondwani Nankhumwa, disse que seis ônibus levando 390 malavianos de Durban estava seguindo para o país e que cinco outros ônibus com malavianos devem deixar a cidade amanhã. Segundo ele, 3.200 malavianos buscaram refúgio em abrigos temporários.

Cerca de 400 zimbabuanos também estavam deixando a África do Sul e voltando para casa, segundo Isaac Moyo, embaixador do Zimbábue no país.

Parte da população sul-africana afirma que os imigrantes roubam seu trabalho, em um país com alto desemprego. Muitos entraram ilegalmente no país, mas o governo local lembra que muitos trabalham legalmente e contribuem para o desenvolvimento econômico.

A violência lembra a onda de distúrbios ocorrida em 2008 na África do Sul, quando 60 pessoas morreram. Em janeiro deste ano, quatro pessoas morreram durante saques contra lojas de estrangeiros em Johannesburgo. Fonte: Associated Press.