• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

ONU diz que 21 milhões de crianças no Oriente Médio podem ficar sem educação

Geral

ONU diz que 21 milhões de crianças no Oriente Médio podem ficar sem educação

BEIRUTE, Líbano - Um total estimado de 21 milhões de crianças no Oriente Médio e no norte da África está fora da escola ou corre o risco de abandonar os estudos, apesar da melhora no acesso à educação na região ao longo da última década, afirmou a Organização das Nações Unidas (ONU) em relatório divulgado nesta quarta-feira.

Os governos da região, que incluem 20 países que vão do Marrocos ao Iraque, têm investido em educação ao longo dos últimos dez anos, o que ajudou a elevar a porcentagem de crianças na escola, segundo o relatório da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). O progresso, porém, desacelerou nos últimos anos, diante do conflito, da pobreza e da discriminação.

"Em um momento de tanta mudança e turbulência, esta região simplesmente não pode se dar ao luxo de deixar 21 milhões de crianças ficarem pelo caminho", afirmou Maria Calivis, diretora regional da Unicef. "Essas crianças precisam ter a oportunidade de adquirir as habilidades que necessitam através da educação a fim de cumprir seu papel na transformação regional."

Mais de 15 milhões de crianças já estão fora da escola na região, enquanto outras 6 milhões correm um grande risco de deixá-la, segundo o documento. Vários fatores contribuem para o problema, incluindo conflitos armados, discriminação de gênero, trabalho infantil, padrões de educação ruins e a pobreza.

As guerras na Síria e no Iraque, dois países que costumavam ter altas taxas de escolarização, têm um impacto particularmente grave. Apenas nesses países, cerca de 3 milhões de crianças não estão na escola por causa do conflito.

A escalada da violência no Iêmen e na Líbia deve ter um impacto similar na educação. "Conforme a violência se expande, milhões mais correm o risco de se tornar uma 'geração perdida', privados do conhecimento e das habilidades necessárias para ser adultos bem-sucedidos", afirmam as agências em comunicado.

As garotas têm 25% a menos de chance de ir à escola na região, mas uma vez que passem a frequentar é mais difícil que deixem o colégio, segundo o relatório. Crianças que entram tarde na escola têm mais chances de abandoná-la que aquelas que começam na idade apropriada. As agências da ONU pedem aos governos que ampliem seus esforços para garantir a educação para famílias em dificuldades, particularmente nas zonas rurais mais pobres. Fonte: Associated Press.